O Mercedes-Benz Actros 4160 SLT não chega a ser uma novidade nas estradas brasileiras. Desembarcou por aqui durante a Fenatran de 2013, na época com 250 t de CMT (Capacidade Máxima de Tração). Depois de estudos de engenharia e testes realizados em cliente, o modelo se mostrou capaz de tracionar 500 t. O dobro dos seus rivais. Passando, assim, a ser conhecido como o caminhão mais forte do país. Não em potência, pois este posto é do Volvo FH16 750, mas em capacidade de tração.

A mecânica bem adaptada para a tarefa de tracionar grandes toneladas e a lista de equipamentos são que o tornam forte e eficaz no transporte de cargas indivisíveis. O Actros 4160 SLT foi desenvolvido entre as engenharias germânica e brasileira. Outro diferencial, e que também faz dele um espécime único no mercado brasileiro, é a tração 8×8. Na Alemanha, o modelo é produzido com tração 8×4. Vale ressaltar que apenas este modelo 4160 é fabricado na Alemanha. Todos os outros Actros comercializados no Brasil são produzidos em Juiz de Fora (MG).

O motor é produzido pela Mercedes-Benz, o OM-502 LA de 16 litros com bloco de 8 cilindros em V, que desenvolve 600 cv a 1.800 rpm e torque de 286 mkgf a 1.080 rpm.
O propulsor trabalha com a transmissão também fabricada pela Mercedes, a G-280 Powershift de 16 velocidades. Ela é automatizada e não possui anéis sincronizadores.

Trata-se de um veículo dimensionado para suportar as exigências desse perfil de transporte. Para isso, ele possui dois radiadores, sistema de refrigeração adicional para o câmbio e embreagem de acoplamento hidráulico que proporciona manobras e partidas isentas de desgaste comum às embreagens secas. A embreagem de acoplamento hidráulico também proporciona ao super Actros melhor capacidade de manobras, de condução e de tração em baixa velocidade.

Além disso, o veículo conta com retarder integrado à embreagem e sistema de refrigeração adicional localizado na parte externa, atrás da cabine. Ee serve para dissipar a grande quantidade de calor gerada pelo motor e transmissão.

Superdimensionado

Todos os arranjos técnicos do Actros, na prática, são capazes de arrastar até 500 t. No entanto, muitas empresas que atuam no segmento de transporte de cargas superpesadas, por questão de segurança, costumam colocar dois ou mais veículos tracionados um ao outro para puxar a carga. São toneladas em máquinas, rotores, transformadores, colheitadeiras, pás eólicas, entre outros, geralmente transportados em implementos especiais do tipo pranchas carrega-tudo.

Para se ter uma ideia, há implementos que quando se somam aos eixos do caminhão, chegam em mais de 40 eixos e muito mais que 100 pneus – os chamados centopeias.
Essas cargas podem exceder os limites legais de pesos e dimensões, razões pelas quais necessitam de AET (Autorização Especial de Tráfego). E isso acontece quando ultrapassam as 74 t de PBTC (Peso Bruto Total Combinado) ou a altura e largura da mercadoria possam prejudicar pontes e viadutos, havendo a necessidade de obras.

Na estrada

Para entender toda a complexidade que envolve um transporte dessa magnitude, fomos para a estrada com o Actros que sozinho transoprtou um rotor de 316 t.

A Transdata – empresa especializada em movimentação de cargas complexas, comprou três Actros 4160 SLT. Ela, que já possui uma frota com mais de 100 veículos direcionados ao transporte de cargas especiais, elegeu o Actros por ser o único capaz de tracionar 500 t.

A escolha foi certeira, uma vez que em determinadas operações, o Actros SLT consegue fazer sozinho o trabalho que envolveria três caminhões com capacidades para 250 t de CMT cada. Exemplo disso foi o transporte de um rotor que saiu de Taubaté (SP) com destino ao Porto de Santos (SP). O equipamento transportado de 316 t, mede quase 9 m de comprimento por 5 m de altura – razão de essa viagem, de aproximadamente 210 km, ter durado 28 dias.

Sem mencionar números exatos, operações como essa ultrapassam facilmente a cifra de R$ 1 milhão. Contudo, a Transdata informa que um Actros fazendo a tarefa que comumente seria realizada por três caminhões da concorrência, reduziu em cerca de 30% os custos operacionais.

A reportagem completa sobre o Mercedes-Benz Actros 4160 SLT 8×8 você confere na edição 162 da revista TRANSPORTE MUNDIAL.  

Prêmio Transporte Responsável

Os embarcadores valorizam cada vez mais as transportadoras que buscam reduzir ao máximo o impacto ambiental e a zerar o número de acidentes envolvendo os veículos de suas frotas. Por isso, é muito importante compartilhar resultados e incentivar o conhecimento sobre o tema. Foi com esta premissa que o Prêmio Transporte Responsável chega agora à 7ª edição para continuar difundindo o trabalho de responsabilidade social e sustentabilidade das transportadoras. As empresas do segmento, em crescente profissionalização, podem participar das categorias Ranking de Transportadoras de Cargas em Geral, Ranking de Transportadoras de Cargas Perigosas e Concurso de Cases Transporte e Valorização do Motorista. Os embarcadores também podem participar do Concurso de cases.
É fácil, gratuito e todos os frotistas brasileiros podem participar. Leia o regulamento no site http://intranet.fabet.com.br/premio/ e faça a inscrição de sua empresa.

Compartilhar
Andrea Ramos
Jornalista especializada em veículos comerciais, apaixonada por caminhões e punk rock, e mãe do B e do Ben.
  • Rafael Lima

    Sem dúvidas um super caminhão, a Mercedes-Benz é uma marca tradicional de muito prestígio no mundo inteiro, e aqui no Brasil ela domina o mercado de veículos comerciais. Tudo isso confirma o slogan da marca ”Trucks you can trust” ou ”Caminhões que você pode confiar”. Parabéns à engenharia da marca por essa conquista!

  • mjprio

    Esse ai tem no Eurotruck simulator também. Mas no jogo ele ja usa o motor OM473 como opção de maior potência com 630CV. Ja que no jogo vc pode configurar ele com qualquer motor. E la também ele ja tem a nova carroceria e interior. Ta na hora da VOLVO configurar o FH 16 750 pra esse tipo de operação. Vai passar facil dos 600 ton, ja que sao 150 cv e 70 kgfm a mais que o OM502

    • Luan Carvalho Andrade

      Os principais responsável por essa capacidade é tração 8×8 já reduzida com a preparação SLT e a embreagem hidráulica da Voith, que também é a maior dor de cabeça dos seus proprietários, já que além de muito cara se quebra o proprietário fica uns bons dias com o veiculo parado. Mas lá fora o CMT dele continua em 250 Ton e a Mercedes pede como medida de segurança dois veículos caso a carga passe de 350 Ton de PBTC.