O IAA 2018, Salão Internacional do Transporte, que acontece em Hannover, na Alemanha, até o dia 27 de setembro, teve como protagonistas a eletromobilidade e os combustíveis alternativos. Não por acaso o tema desta 67ª edição foi “Driving Tomorrow”, “Dirigindo Amanhã” e realmente foi o que se viu em todos os estandes.

Todas as fabricantes provaram que estão preparadas para atender às necessidades de um transporte mais limpo, mais inteligente, mais dinâmico e mais seguro.

O Grupo Daimler lançou o seu novo Actros, modelo movido a diesel, porém, cheio de inovação. Destaque para o retrovisor que ganha vida através de câmeras, a MirrorCam – deixando para trás o tradicional espelho – e o Active Brake Assist 5, sistema de frenagem de emergência que faz a frenagem total do veículo em situações de emergência, como no caso identificar riscos a pedestres.

Além do novo Actros que será lançado apenas na Europa a partir de 2019, a Mercedes-Benz anunciou para o Brasil o seu caminhão Axor 3131 8×4 autônomo. O caminhão foi desenvolvido em parceria com a Grunner Tec, empresa localizada no interior de São Paulo, e ele vai operar 24 horas diárias na operação da Agro Cana, que já possui dois modelos com essa tecnologia operando na frota.

Outro veículo que chamou muito a atenção de quem visitou o estande do Grupo Daimler no IAA foi o conceito Vision Urbanetic, uma van que apresenta além de um belo estudo de design – ela é diferente de tudo o que já se viu nessa categoria –, possui como base um chassi de condução autônoma totalmente elétrico. Sua forma oval e com carrocerias intercambiáveis permite ser aplicada em operações de carga ou de passageiros. Um veículo adaptado para qualquer perfil de operação, a qualquer hora e com a vantagem de transportar mais pessoas e mercadorias não necessitando de muitos veículos na frota.

A Volvo como sempre preparou alguma solução fora da caixa para levar ao IAA. Nesta edição foi a vez do VERA, um “caminhão” – apesar de não se parecer a um, o modelo tem quinta-roda – elétrico e autônomo cuja missão é atuar em ambientes controlados fazendo a operação logística de curta distância. No estudo da Volvo, o VERA será conectado na nuvem e a uma central de controle de transporte, o que vai permitir monitorar a localização do veículo, sua autonomia, qual o tipo de carga, rota, entre outras informações.

A Ford mostrou o F-Vision, caminhão que traz a visão da marca sobre o futuro do transporte rodoviário de carga. O modelo foi inspirado no Homem de Ferro, personagem da Marvel e desenvolvido pela Ford Otosan, sediada na Turquia. Seu powertrain é totalmente elétrico e possui um sistema de direção semiautônomo nível 4, tendo a necessidade de um condutor a bordo da cabine ou remotamente.

A Iveco ousou e durante o Salão só levou para o seu estande modelos de Van a caminhões pesados movidos a combustíveis alternativos, criando uma “área de baixa emissão”.

A marca de origem italiana chama a atenção para a considerável vantagem ambiental do gás natural, que é capaz de proporcionar reduções drásticas nas maiores emissões de poluentes: redução de 90% para NO2, 99% para material particulado e 10% para CO2 com o gás natural, que chega até 95% com biometano.

Ao total foram 18 produtos com destaque para o Daily Hi-Matic Natural Power, o primeiro veículo movido a GNV com uma caixa de câmbio automática de oito velocidades e o Eurocargo GNV.

O Brasil também foi grande protagonista no estande do grupo Traton no IAA. O destaque da VWCO foram os brasileiros e-Delivery e o Volksbus e-Flex. O ônibus e-Flex é dotado de um motor elétrico para tração e de um motor a combustão ciclo Otto (etanol/gasolina) – o mesmo do Golf – que funciona como um gerador para abastecer as baterias e ampliar a autonomia. Esse modelo elétrico da Volkswagen para transporte de passageiros começa a rodar já no ano que vem nas ruas brasileiras e vai entrar no portfólio de vendas da marca apenas seis meses depois do caminhão e-Delivery, que está previsto para ser fabricado em série a partir de 2020.

Além de chamar a atenção para a sua nova geração, pelo menos para nós brasileiros, a Scania levou para o IAA caminhões híbrido elétrico plug-in (PHEV), baseado na nova geração, e uma versão elétrico híbrido (HEV), ambos com o novo sistema Scania Zone, um serviço opcional de gestão de frota. Os novos caminhões híbridos são equipados com os motores Scania DC09, de 5 cilindros em linha, que poderão utilizar o HVO (óleo vegetal tratado com hidrocarbonetos) ou diesel, trabalhando em paralelo com a máquina elétrica gerando 130kW (177hp) de potência e 107 mkgf.

A ZF inovou ao apresentar sistemas baseado em radares que são capazes de monitorar todo o entorno do caminhão prevenindo acidentes. E esses sistemas ficaram visíveis ao público graças ao caminhão vitrine montado no estande da marca, permitindo a melhor visualização do de todos esses sistemas.

A reportagem completa sobre o Salão de Hannover você confere nas revistas Transporte Mundial e o Carreteiro.

Andrea Ramos, de Hannover, Alemanha

Compartilhar
Andrea Ramos
Jornalista especializada em veículos comerciais, apaixonada por caminhões e punk rock, e mãe do B e do Ben.