Se 2016 não foi um ano fácil para muitas empresas, no mínimo deixou algumas lições para 2017. Uma delas é otimizar custos, por meio de uma cadeia logística que funcione de maneira adequada, tendo como premissa a busca pela eficiência operacional.

De acordo com o Instituto de Logística e Supply Chain (Ilos), os custos logísticos no Brasil equivalem a mais de 10% do Produto Interno Bruto (PIB), com forte influência da atividade de transportes. Esses gastos representam cerca de 10% do faturamento das empresas brasileiras.

Por isso, o gerente comercial da Intecom Logística, Rodrigo Boniaris, lista cinco tendências que irão impactar positivamente o setor logístico ao longo de 2017. Confira:

Novas oportunidades, mesmo na crise

Por conta do período econômico vivenciado pelo País, o executivo acredita que, a exemplo do ocorrido em 2016, muitas empresas continuarão a buscar eficiência operacional, com custos reduzidos e processos mais eficazes. “Em momentos de crise econômica, é importante canalizar os esforços nas questões que trazem resultado. O objetivo é não dispender energia em projetos que não agreguem, tomando tempo e dedicação do time”, diz Boniaris.

Processos cada vez mais automatizados

A tecnologia é forte aliada de processos ágeis e que necessitam funcionar conforme o esperado. No setor logístico, onde é importante acompanhar cada etapa que envolve a cadeia em tempo real, além de ter total controle dos itens armazenados e transportados, o uso da tecnologia é fundamental. Atualmente, existem diversas tecnologias e técnicas disponíveis para agilizar e otimizar os fluxos e processo desta área.

De acordo com Boniaris, em vista deste cenário, as empresas vão buscar processos cada vez mais automatizados, que tragam bons resultados para os negócios e satisfação para o cliente final.

Verticalização dos serviços

Uma das tendências do ano de 2017 será a busca de um player logístico que realize todos os serviços que envolvem a cadeia logística, como armazenagem, distribuição e, principalmente, a gestão de todo o processo. 

Compartilhamento de custos

Segundo Boniaris, a queda nos volumes das empresas (devido ao consumo retraído) trouxe a necessidade de compartilhamento de recursos, afim de otimizar os custos. “A Intecom, enquanto integrador logístico, tem focado nesta proposta de otimização para os clientes, o que tem dado muito certo”, explica.

Foco do cliente

As empresas do setor logístico que souberem desvendar as reais necessidades do cliente em 2017 terão um destaque importante no mercado. “Enxergamos a estratégia logística pela visão do cliente, sabendo conduzir a operação logística, do ponto de vista dele”, explica Boniaris.