Desde que chegou ao Brasil em 2012, a DAF se mostra preparada para disputar o mercado de caminhões pesados rodoviários com as marcas que por aqui já são consagradas. Fez bem a lição de casa, estudou o mercado brasileiro e suas exigências e está respondendo aos anseios do transportador e do condutor.

Super Space Cab dispõe de maior amplitude em relação aos concorrentes Foto: Omar Matsumoto

E mesmo que sua cabine não seja atualizada como Scania, Volvo e Iveco modelo Hi-Way que estão em nível de igualdade com suas matrizes europeias, ainda assim, é visualmente um habitáculo moderno, e que dispõe de conforto e de muito espaço. Não é exagero afirmar que essa novidade Super Space Cab é a que dispõe de maior amplitude se comparar às demais cabines da mesma categoria.

Cabine é visualmente um moderna, apesar de não atualizada com a versão européia Foto: Omar Matsumoto

Outro atributo do habitáculo da DAF é o acabamento mais conservador e que remete aos automóveis sedãs de luxo. A sensação de aconchego se deve aos revestimentos dos bancos, da cama que acompanha beliche – esta opcional, e das portas, que mesclam as cores marrom e bege.

O banco do motorista é pneumático; do passageiro, é opcional                                                   Foto: Omar Matsumoto

Os bancos são pneumáticos, opcional para o passageiro, e possuem braços laterais com regulagem de altura. A cama inferior é muito confortável, pois traz colchão de mola ensacada com 15 cm de espessura e mede 2 100 mm de comprimento por 81 cm de largura.

A Super Space Cab é equipada com uma mesa que suporta 100 kg, cortinas roll-on com blackout e escada de alumínio dobrável com degraus extra-largos entre uma cama e outra. Ar-condicionado, tacógrafo digital e escotilha com acionamento elétrico são itens de série.

BASE SÓLIDA

A mecânica desse caminhão é a sua maior herança. Produzido desde 2007 na Europa para atender a Euro 5, essa vasta experiência lhe rendeu 28 milhões de quilômetros rodados.

Motor MX-13 entrega potência de 510 cv e torque de 255 mkgf

O motor Paccar MX-13 está montado num bloco de 6 cilindros em linha. Nessa versão avaliada a potência é de 510 cv de 1 500 a 1 900 rpm e o torque de 255 mkgf de 1 050 a 1 410 rpm. Esse propulsor junto com a transmissão ZF As-Tronic Direct Drive de 12 velocidades e duas ré, com relação de 1:1 na última marcha. A DAF oferece duas relações de diferencial: 3,07:1 de série, e 3,42:1. As opções de entre-eixos são de 3 500 mm e 3 300 mm.

Transmissão ZF As-Tronic Direct Drive equipa o modelo

Ainda faz parte do conjunto técnico o freio-motor com potência de frenagem 430 cv a 2 100 rpm, com sistema de frenagem combinado, já que atua por cabeçote e por válvula borboleta.

As opções do tanque do Arla 32 são: 75, 100 e 140 litros

O caminhão possui ainda novas capacidades dos tanques de combutível e de Arla 32. O caminhão passa a ser equipado com opções de reservatório de alumínio de 520 litros, 440 litros + 440 litros e 720 litros. As opções do tanque do Arla 32 são: 75, 100 e 140 litros.

As impressões completas a bordo do DAF XF105 você confere na edição 159 da revista TRANSPORTE MUNDIAL.

 

 

 

Compartilhar
Andrea Ramos
Jornalista especializada em veículos comerciais, apaixonada por caminhões e punk rock, e mãe do B e do Ben.