Cargo 2431 conta com novo motor Cummins de 306 cv. Foto: Divulgação

Por ocasião do lançamento da família Ford Cargo Power, a montadora deixou bem claro qual é seu foco para o mercado de caminhões no Brasil. A empresa está concentrando esforços das equipes e investimentos nos modelos chassi rígido de 17 t a 30 t de PBT (Peso Bruto Total). Isso não significa que a marca não estará presente em outros segmentos, como os caminhões de distribuição e cavalos mecânicos.

O fato é que no segmento de caminhões rígidos que estão os pontos mais fortes da marca para ganhar mercado, enfrentar concorrentes como Mercedes-Benz e Volkswagen, e fazer a liderança no segmento um sonho exequível.

O modelo escolhido para liderar esta missão é o novo Cargo 2431. Os alvos são os clientes dos Volkswagen Constellation 24.280, líder do segmento 6×2 há 12 anos, e do Mercedes-Benz Atego 2430.

Ford Cargo 2431 vs VW Constellation 24.280

Segundo Oswaldo Ramos, diretor de vendas e marketing da Ford Caminhões, é um projeto de longo prazo, mostrando consciência que as diferenças atuais de vendas entre o Cargo 2429 e o Constellation 24.280 é muito grande. O modelo da Ford, conforme dados da Fenabrave (entidade que representa as redes de distribuição), emplacou 1.007 unidades (7,11% de participação no segmento) enquanto o concorrente da VW vendeu 2.091 unidades (14,77%). O Mercedes-Benz Atego 2430 teve 558 unidades emplacadas. Nesses números estão incluídas todas as configurações de eixos desses modelos e não exclusivamente os 6×2.

O mercado de caminhões com PBT entre 17 t e 30 t é bastante competitivo. “Com o novo Cargo 2431, nós vamos poder mostrar os nossos diferenciais diante os concorrentes para conquistar a liderança mais para a frente”, diz o executivo.

João Pimentel, diretor da Ford Caminhões América do Sul, destaca que o segmento de caminhões rígidos representou 65,82% das vendas na soma de todas as marcas, considerando veículos com PBT de 3,5 t até 30 t. O restante foi de cavalos mecânicos. Isso representou um volume de 33.935 unidades de rígidos em 2017 e 17.626 de cavalos mecânicos.

Com base no resultado dos três primeiros meses deste ano, Pimentel acredita que o mercado de caminhões vai crescer 21,9% no segmento de 3,5 t até 30 t de PBT, alcançando um volume de 41.371 caminhões rígidos.

Caminhão trator

Cavalo mecânico Ford Cargo 2042 é estratégico para atender frotistas. Foto Arquivo

O mercado de cavalo mecânico começou 2018 bastante aquecido, com crescimento de quase 90%, porém, é um segmento bastante concorrido entre as marcas Mercedes-Benz, Volvo e Scania — para citar apenas as marcas que emplacaram mais de 1 mil unidades nos três primeiros meses do ano. Mercedes-Benz emplacou 1.937 unidades, seguida da Volvo (1.612) e Scania (1.556). Nesses números estão inclusos modelos rígidos pesados, mas em quantidade muito pequena pois são modelos para nichos de mercado. 

Oswaldo Ramos explica que a Ford vai continuar concorrendo no segmento de cavalos mecânicos com os Cargo 1731, 1933, 2042 e 2842, principalmente para atender clientes que trabalham com a marca e precisam completar a frota com os caminhões trator. No primeiro trimestre, a Ford emplacou 38 unidades de cavalos mecânicos.

Compartilhar
Editor da revista e site Transporte Mundial desde fevereiro de 2002. Além de caminhões, é apaixonado por motocicletas e economia! Foi coordenador de comunicação na TV Globo, assessor de imprensa na então Fiat Automóveis, hoje FCA, e editor-adjunto do Caderno de Veículos do Jornal Hoje Em Dia, de Belo Horizonte (MG).