Por João Geraldo – de Resende (RJ)

A Volkswagen Caminhões e Ônibus está realizando nesta quarta-feira (13/09), em sua fábrica instalada em Resende/RJ, o pré-lançamento da nova geração Delivery formada por caminhões semileves e leves, na faixa de carga de 3,5 a 13 toneladas. São seis modelos com cabines totalmente novas dentro da atual realidade do mercado, que além do design moderno exige também e principalmente maior espaço interno na cabine, conforto e robustez.

A nova família de caminhões Volkswagen, que será lançada oficialmente na Fenatran, em outubro, traz, além da cabine, um novo trem de força com motores Cummins em diferentes potências. O modelo semileve, batizado pela montadora de Express, é equipado com propulsor de 2,8 litros e 150cv de potência, dotado do sistema EGR de pós-tratamento dos gases e rodado simples no eixo traseiro.

O mesmo motor equipa o Delivery 4.150, que junto com o Express marcam a estreia da Volkswagen num segmento que não concorria. Outro modelo é o 6.160, também com propulsor de 2,8 litros, porém segundo a montadora, esse veículo tem a missão de manter a marca no topo do ranking de caminhões mais vendidos no País.

Já o Delivery 9.170, cujo peso é 10% abaixo do modelo atual, é equipado com motor de 3,8 litros com tecnologia ECR (usa Arla32). É um caminhão do tipo “faz tudo” com diferentes tipos de implementos.

O 11.180, por sua vez, com propulsor de 175cv, é indicado para entregas urbanas e serviços rodoviários de curtas e médias distâncias. O modelo com maior capacidade de carga é o 13.180 com terceiro eixo de fábrica, um caminhão que atende a diversas aplicações.

O veículo, segundo a Volkswagen, foi projetado de acordo com a legislação de circulação do VUC. O modelo está sendo apresentado com caixa manual de seis marchas como todos os demais modelos, e terá opção para transmissão automatizada.

Projetada e desenvolvida na América Latina, a nova linha Delivery recebeu  investimento superior a 1 bilhão de reais. Algumas das inovações dos produtos estão na suspensão dianteira independente nos modelos com motor 2,8 litros e, no caso do Express, a cabine é basculante.

Os preços, de acordo com o vice-presidente de vendas e marketing da MAN Latin America, Ricardo Alouche, será na média de 7 a 10% acima da linha Delivery atual, dependendo do nível de acabamento e de opcionais. A meta de vendas, segundo o executivo, é chegar a 30 mil unidades no mercado doméstico em pouco tempo.

De acordo com Alouche, estudos da companhia indicam que até 2030 as vendas de modelos leves, que hoje representam 31% do mercado total de caminhões vendidos no País, deverão atingir o patamar de 39%, sendo a limitação de tráfego nas grandes cidades um dos principais motivos para esse crescimento.

Os modelos 9.170 e 11.180 já serão vendidos neste mês, enquanto os demais seguem a seguinte cronologia: o 6.160, em dezembro; o Express, em fevereiro de 2018; o 4.150, em março e o 13.180 , em abril de 2018. Cabe informar também que a linha atual continuará a ser comercializada junto com os novos produtos.

Os novos caminhões levaram cinco anos de desenvolvimento, têm maior capacidade de carga e são mais econômicos. “Essa nova família marca a entrada da Volkswagen em um novo nicho de mercado, abaixo de cinco toneladas”, disse o presidente e CEO da MAN Latin America, Roberto Cortes.

O executivo finalizou acrescentando que a partir de agora a empresa é full line, com as marcas Volkswagen e MAN e adiantou que os novos caminhões da linha Delivery serão apresentados para o mercado mexicano em novembro próximo, em feira de transporte que será realizada no país.

 

  • Ilbirs

    O mais interessante da coisa toda, para mim, é esse Delivery Express, que vem com tudo para concorrer com o Hyundai HR. É o primeiro movimento importante em um mercado que na prática era só desse produto mas que agora começa a ter outros competidores.

  • mjprio

    Muito bonito. Outro fator que achei interessante e eles colocarem um motor 2.8L que chega aos 160CV. A MB por exempo usa um motor 2 litros maior pra uma potência semelhante

    • Zetros1833

      A primeira coisa que meio à cabeça foi a Amarok. Embora não tenha ficado um primor em design é bem melhor que a anterior, essa sim, com design dos anos 70, rs. Apesar de quê, a anterior tinha mais personalidade. A nova ficou bem achinezada, principalmente com esses frisos cromados.

      Gostei bastante do interior, que é todo Amarok tbm, inclusive o painel. Pelo menos, nas fotos, a impressão é de muito requinte e um acabamento muito bom, principalmente por serem veículos urbanos. O volante ficou muito bonito e moderno.

    • Zetros1833

      A MB usa um motor maior realmente, porém, num regime de giros mais baixo. Outra vantagem é que com um motor maior, pode-se extrair mais torque máximo.