Com inédito dispositivo de poltrona móvel, a Iveco Bus e a Caio Induscar lançaram o micro-ônibus SoulClass nas versões Executivo e Escolar. O que diferencia esse veículo é que em vez do passageiro com mobilidade reduzida ser transportado sobre a cadeira de rodas, ele passa para uma poltrona que sai do ônibus por uma porta exclusiva e retorna para o interior por meio de um sistema eletro-hidráulico. O sistema permite uma viagem bem mais segura.

Iveco Bus SoulClass com carroceria Caio Induscar e dispositivo de poltrona móvel. Foto: Divulgação

O SoulClass foi desenvolvido a partir do chassi do Iveco Daily 70C17. A versão Executivo conta com 24 poltronas, sendo duas para portadores de deficiência física e acesso exclusivo pela porta que fica ao lado das poltronas. O modelo Escolar transporta até 29 estudantes e, neste caso, em vez da poltrona, o banco que é inteiro nos demais assentos, é dividido em dois para que um possa sair do ônibus pelo dispositivo eletro-hidráulico para fora do ônibus. Tanto no Executivo como no Escolar, sobe um passageiro por vez. Quando o primeiro passageiro está dentro do ônibus, ele passa para o outro assento para que o segundo possa entrar. O peso máximo suportado pelo sistema é de 150 kg. As cadeiras de roda vão no porta-malas, no caso do Executivo, e em um espaço dedicado a elas no Escolar.

O desenvolvimento do dispositivo de poltrona móvel foi feito pela empresa Elevittá e, em caso de qualquer pane na parte elétrica ou na bateria, o dispositivo pode ser acionado manualmente por alavanca, explica Gustavo Serizawa, gerente de marketing de produto da Iveco Bus.  

Características técnicas

Todo a manutenção do motor é feito pela grade dianteira removível. Foto: Divulgação

Seguindo a tendência no desenvolvimento de veículos que ajudam a redução do custo operacional, a Caio Induscar desenvolvido a carroceria do SoulClass que todo o acesso ao motor pelo frontal do veículo, tornando mais rápida e simples a manutenção do motor. No mesmo conceito, os vidros laterais são colados, o que melhora a aerodinâmica e o visual do micro-ônibus. A tampa traseira foi feita de alumínio, mais leve. Ela também avança sobre o para-choque para facilitar o carga e descarga. Além disso, o porta-malas conta com acesso lateral. O comprimento é de 8.120 mm, largura de 2.200 mm, altura externa de 2.850 mm (sem ar-condicionado) e 3.100 mm (sem ar-condicionado). A altura interna é de 2 metros.

O painel é o mesmo do Daily, completo, moderno e muito bem integrado à carroceria. Foto: Divulgação

O trem de força é o mesmo do Iveco Daily 70C17. Conta com motor diesel FPT de 3 litros, 4 cilindros em linha e 16 válvulas. A potência é de 170 cv a 3.500 rpm e o torque alcança 45,8 mkgf de 1.250 rpm a 2.900 rpm. O sistema de tratamento dos gases é o EGR (recirculação dos gases), o que dispensa o uso do Arla 32. O câmbio é ZF de seis velocidades. De série vem com tanque de combustível de 90 litros e, opcionalmente, pode receber um segundo tanque, também de 90 litros, totalizando 180 litros.

Protótipo da Volare Access

Volare Access conta com chassi de piso baixo, rebaixamento graças à suspensão a ar e rampa para facilitar o acesso da cadeira de rodas e de idosos. Foto: Arquivo

A surgimento de ônibus com acessibilidade vem ocorrendo para atender a legislação de inclusão social, principalmente, a portaria 269 do Inmetro, publicada em 2 de junho de 2015. Órgãos públicos também têm desafiado as empresas a apresentarem soluções para melhorar a acessibilidade de passageiros como mobilidade reduzida, o que inclui também idoso ou pessoas acidentadas.

Foi por um desses desafios, que a Volare desenvolveu o Volare Access, apresentado em março de 2015. O micro-ônibus voltando inicialmente para o transporte urbano de passageiros foi considerado um grande desafio para as engenharias da Volare e da Agrale, pois até então, ninguém havia desenvolvido um veículo desse porte com suspensão a ar nas quatro rodas, motor traseiro com ar-condicionado, chassi piso baixo e ajoelhamento, quando o veículo baixa a sua altura no ponto de parada para facilitar o acesso da cadeira de rodas (possui uma leve rampa em vez de degraus) e idosos. 

Segundo Roberto Poloni, responsável pela engenharia da Volare, a ideia foi fazer um produto que não só atendesse o Programa Caminhos da Escola, mas também a demanda por ônibus mais confortáveis nos centros urbanos, que já é uma solicitação da SPTrans (entidade da Prefeitura de São Paulo que gerencia o transporte público).

Assim foi feito o desafio para a Agrale construir um chassi com motor traseiro e suspensão totalmente pneumática, com seis bolsas de ar (duas no eixo dianteiro e quatro no traseiro) para a carroceria W9. Geralmente é o contrário, a carroceria é feita para o chassi. Essa configuração leva uma grande vantagem em relação aos modelos que utilizam elevador para o cadeirante, que é a rapidez no embarque e desembarque. A operação para abrir a rampa de acesso leva cerca de 15 segundos e está fica praticamente plana quando o meio-fio segue a altura padrão de 15 cm em relação à rua. A suspensão totalmente a ar eleva bastante o conforto, pois ela diminui a dimensão e a amplitude dos movimentos.

O Volare Access tem PBT de 9 000 kg e pode receber carroceria de 7 350 mm até 9 000 mm de comprimento, 3 130 mm de altura externa e 2 360 mm de largura. Na versão urbana pode transportar até 35 passageiros, além do cobrador. Na versão escolar, o modelo pode transportar até 16 passageiros. O trem de força é formado pelo motor Cummins ISF 3.8, com 162 cv de potência e 61,18 mkgf de torque. O câmbio de série é manual de cinco velocidades. Haverá opção de transmissão automática. 

 

Compartilhar
Editor da revista e site Transporte Mundial desde fevereiro de 2002. Além de caminhões, é apaixonado por motocicletas e economia! Foi coordenador de comunicação na TV Globo, assessor de imprensa na então Fiat Automóveis, hoje FCA, e editor-adjunto do Caderno de Veículos do Jornal Hoje Em Dia, de Belo Horizonte (MG).