José Carlos Mendonça de Barros e Tayguara Helou

Em evento promovido pelo Setcesp (Sindicato das Empresas de Transportes de Cargas de São Paulo e Região) sobre a conjuntura econômica, o economista, ex-presidente do BNDES, ex-ministro das Comunicações e CEO da Foton Aumark do Brasil, Luiz Carlos Mendonça de Barros, disse que o segmento semestre deste ano será o momento de os empresários arrumarem as suas margens de lucros.

“Todos os indicadores econômicos apontam a recuperação da nossa economia. A minha previsão é de que o PIB chegue a crescer 4% no terceiro trimestre deste ano”, comenta Mendonça de Barros.

 

Na abertura do Encontro Setcesp Conjuntura Econômica, realizado dia 6/02 na sede do sindicato, o presidente da entidade, Tayguara Helou, destacou que o Brasil nunca experimentou antes um conjunto de indicadores econômicos como agora, com taxas de juros e inflação baixa, PIB com boa tendência de crescimento e indústria e consumo das famílias também voltando a crescer, ou seja, o país entra em uma trilha econômica muito positiva.

Para o presidente do Setcesp, com o crescimento do consumo das famílias, o segmento de carga fracionada volta e crescer e, consequentemente, impulsiona o de carga lotação. “Com a população consumindo mais, a indústria em um segundo momento também começa a produzir mais, o que impacta diretamente no crescimento do transporte de carga fracionada e de carga lotação”, explicou Helou.

Vendas de caminhões

Na análise feita pelo economista, no entanto, os transportadores não voltarão a comprar caminhões como nos anos de 2011 a 2014, período que contou com estímulos artificiais do governo federal. Na projeção dele, serão o mercado de caminhões acima de 2,8 toneladas será de:

75 mil unidades em 2018

86 mil em 2019

97 mil em 2020

105 mil em 2021

111 mil em 2022

117 mil em 2023

123 mil em 2024

130 mil em 2025

Compartilhar
Editor da revista e site Transporte Mundial desde fevereiro de 2002. Além de caminhões, é apaixonado por motocicletas e economia! Foi coordenador de comunicação na TV Globo, assessor de imprensa na então Fiat Automóveis, hoje FCA, e editor-adjunto do Caderno de Veículos do Jornal Hoje Em Dia, de Belo Horizonte (MG).