Ao anunciar mudanças na linha 2016 de caminhões, a Mercedes-Benz ampliou o seu portfólio com o Vito, a mais nova aposta da estrela. Produzido na Argentina, e disponível nas versões Furgão ou Tourer (passageiros), o Vito inaugura a geração dos utilitários Premium, mais bem equipados e seguros do que os furgões que integravam, até então, no mercado brasileiro. 


O primeiro contato com o Vito Furgão, versão testada pela TRANSPORTE MUNDIAL, impressiona: veículo de bom tamanho, design arrojado e grande compartimento de cargas. Sem olhar para trás, a impressão que se tem é de estar em um automóvel tipo perua, com cabine harmoniosa, acabamento honesto e recursos funcionais, como rádio com entradas USB e auxiliar, Bluetooth e entrada para cartão SD. Além de volante ajustável, direção, vidros e travas elétricos e alguns porta-objetos. Como opcional, a marca oferece o ar-condicionado.


Mesmo quando carregado, na cabine, o Mercedes Vito é silencioso, sem qualquer espécie de rangidos a mais na lataria ou acabamentos. No amplo compartimento de cargas, piso naval é de série. A capacidade de carga do furgão é de 1 225 kg. A equipe da revista testou o furgão em dois percursos: vazio, São Paulo a Poços de Caldas (MG), e carregado com 500 kg, na rodovia Anchieta, em São Paulo. Nas duas ocasiões, o modelo demonstrou força e robustez. A começar pelo seu motor turbo OM 622 111 CDI a diesel, de 1.6 litro e 4 cilindros, que entrega 114 cv de potência e 27,5 mkgf de torque. Completa o conjunto de força a transmissão mecânica FSG 350, de 6 velocidades com overdrive, que o torna ainda mais econômico. Tudo para não titubear quando a situação exigir força.


O furgão, porém, em nosso teste, apresentou números distintos dos informados pela fabricante, no que se refere a consumo de combustível: de  7,3 km/l a 7,5 km/l, em trecho urbano ou rodoviário, no percurso São Paulo – Minas, e, depois de abastecido, 11,1 km/l, caindo progressivamente a 9,1 km/l, até a data de sua devolução à Mercedes-Benz.

Em contato com a engenharia da fabricante, fomos informados que, conforme a portaria do INMETRO Nº10/2012 e NBR 7024, nas medidas da fabricante, o Vito registrou as medições: 8,21 km/l (urbano) e 11,55 km/l (rodoviário). “Os valores de referência informados (urbano 8,21km/l  e rodoviário 11,55km/l) foram medidos em condições-padrão de laboratório, conforme NBR 7024, e ajustados para simular condições mais comuns de utilização, podendo não corresponder ao consumo verificado pelo motorista com o uso do veículo, que depende das condições do trânsito, do combustível, do veículo e dos hábitos do motorista”.

Nas estradas, o Vito não deve em nada aos furgões que estão no mercado brasileiro. Aliás, no quesito segurança o modelo supera em muito seus pares, o que faz toda a diferença no asfalto.

SEGURANÇA
Com status de ser o veículo comercial mais seguro do Brasil, o Vito traz de série um vasto conjunto de tecnologias e dispositivos de segurança, como Attention Assist (Detector de Fadiga), quando sensores embarcados detectam longo período sem atividade, emitindo alarme sonoro e alertando para possíveis sinais de fadiga; Hill Stat Assist (Partida em Rampa), o veículo se mantém imóvel por alguns segundos, até que o condutor consiga acionar a embreagem para sair nas subidas; e Crosswind Assist (Vento Lateral), sistema que ameniza a ação dos ventos laterais. Além disso, o modelo é equipado com a versão mais recente do Programa Eletrônico de Estabilidade (ESP Adaptativo 9.1i), sistema que agrega ABS (Sistema Antibloqueio de Freios), ASR (Sistema de Controle de Tração), BAS (Servofreio de Emergência) e EBV (Distribuição Eletrônica de Frenagem), alguns deles herdados da Sprinter, que recebeu primeiro essas tecnologias.

Maior que modelos como Kangoo e Fiorino e menor que Sprinter e Ducato, o Vito surge como opção intermediária. Construído sob boa plataforma, o que deve ditar o sucesso do modelo é a ca­pacidade da Mercedes-Benz em vendê-lo ao mercado. E, custando a partir de R$ 104.980, a fabricante vai ter de explorar ao máximo as virtudes do Vito para emplacá-lo no mercado brasileiro, que sempre leva em consideração o quesito preço.


Apesar de sentirmos falta de equipamentos como Central Multimídia com GPS e sensor ou câmara de ré, como na versão europeia, o Vito é um furgão para quem busca características diferenciadas e necessidades específicas, como acesso a garagens com teto baixo, e pode pagar um pouco mais por isso, unindo força, tecnologia, conforto e capacidade de carga na medida certa.