Volvo apresenta o caminhão de 2030

403

Na vanguarda de ser a fabricante de caminhões com mais tecnologia de conectividade, a Volvo do Brasil realizou uma seminário sobre o futuro da conectividade dos veículos comerciais. Para falar sobre o tema, a empresa trouxe o seu especialista na área, o gerente de serviços conectados da Volvo Trucks, da Suécia, Michael Gudmunds.

 
O especialista compartilhou a sua visão de como será o transporte até 2030, com o caminhão conectato em tudo ao seu redor, 100% do tempo on-line, e com diversos recursos para evitar acidentes, aumentar sua eficiência operacional e todo o trabalho da logística, tudo em um único software de serviço colaborativo e com milhares de informações nas nuvens (big data) que podem ser compartilhadas com embarcadores, transportadores, motoristas, veículos e os locais de destino da carga (indústrias, comércio e residências).   

Em 2015, os caminhões Volvo já disponibilizam ferramentas que facilitam a gestão como o software Dynafleet de gerenciamento de frota por meio da telemetria e rastreamento, o qual terá sua terceira geração lançada em novembro durante a Fenatran; I-See, sistema que grava a topografia da rota para aumentar a eficiência das trocas de marchas e uso do freio-motor; My Truck, aplicativo para smartphone que permite acesso em tempo real a muitas informações do veículo, como nível do combustível, Arla 32, óleo e líquido do arrefecimento, status de funcionamento de diversos componentes, como vários dados sobre a forma de condução do motorista, além de poder receber alertas etc.; e o Voar Call, que com o acionamento de apenas uma tecla no volante coloca o motorista em conexão com o concessionário Volvo mais próximo e já faz a transmissão do diagnóstico para o técnico de qual problema está ocorrendo no caminhão. 

Para o futuro, Michael Gudmunds prevê que o caminhão estará conectado com todos os outros usuários das vias, com os outros veículos, com a sinalização de trânsito, com os outros modais e com o destino da carga. Isso trará muito mais eficiência, com menores custos de transportes e sem acidentes. “Para isso, é importante que o caminhão esteja conectado o tempo todo. Hoje ainda não é possível, mas estamos caminhando para isso”, diz o especialista. 

Com a conexão com a sinalização de trânsito, será possível pegar uma onda verde de semáforos, fazendo com que o caminhão calcule a melhor velocidade para pegar o sinal aberto, reduzindo gasto com combustível e uso dos sistemas de freios. Os acidentes com outros veículos serão evitados, pois o caminhão saberá exatamente onde estão os veículos, incluindo motocicletas e bicicletas, e pedestres ao seu redor, inclusive a velocidade e distância de cada um. O sistema alerta o motorista dos riscos e, em caso de colisão iminente, o próprio sistema aciona todos os freios do caminhão para evitar o acidente.

Inclusão digital

Para saber como o profissional da estrada está se preparando para esse novo universo, a Volvo fez uma pesquisa sobre o atual estado da inclusão digital na categoria. Segundo Daniel Homem de Mello, gerente de marketing da Volvo no Brasil, mais de 600 caminhoneiros de todas as marcas e de todos os países foram ouvidos. Entre os que fazem viagens de longa distâncias, 60% possuem notebook em casa, 50% têm smartphone e 47% usam o celular para acessar a internet diariamente. “O smartphone do caminhoneiro é usado como uma multiplataforma. Além de ferramenta de trabalho, é fundamental para mantê-lo próximo da família e amigos enquanto viaja”, diz Mello. Veja mais informações sobre a pesquisa no site da revista: www.transportemundial.com.br

Compartilhar
Marcos Villela
Jornalista técnico e repórter especial no site e na revista Transporte Mundial. Além de caminhões, é apaixonado por motocicletas e economia! Foi coordenador de comunicação na TV Globo, assessor de imprensa na então Fiat Automóveis, hoje FCA, e editor-adjunto do Caderno de Veículos do Jornal Hoje Em Dia e O Debate, ambos de Belo Horizonte (MG).