Bateria do ônibus elétrico Mercedes-Benz já é produzida no Brasil

600

A bateria elétrica que fornece energia para o ônibus elétrico Mercedes-Benz eO500U já é produzida no Brasil pela BorgWarner. A empresa iniciou a operação em fevereiro desse ano e a montadora é o primeiro cliente no País.

A fábrica de baterias está instalada em Piracicaba, no interior paulista e faz parte do plano de expansão da BorgWarner de amplo fornecimento para a indústria de veículos elétricos e a otimização de componentes para veículos a combustão. A companhia produz globalmente motores elétricos, inversores, baterias e recarregadores.

A unidade brasileira é destinada ao atendimento de mercados da América do Sul. E nesta fase 1 da operação, a empresa produz o sistema de gerenciamento que faz a interligação, carregamento e distribuição, bem como o sistema que monitora todo o veículo e monta na bateria.

No entanto, a empresa depende ainda de componentes importados. De acordo com o Diretor para Sistemas de Baterias da companhia no Brasil, Marcelo Rezende, é ainda preciso desenvolver fornecedores no País. Além disso, ele conta que nenhum dos seus concorrentes no País faz tudo da bateria.

Brasil tem potencial para produzir baterias

Rezende acrescenta que o Brasil reúne grande potencial para ser uma potência em baterias elétricas. Isso tanto pela disponibilidade de minério quanto pelo potencial da indústria brasileira.

A BorgWarner aposta no protagonismo do transporte rodoviário de carga no País na questão da eletrificação de veículos comerciais, em especial do segmento de última milha. Por isso a empresa tem plano também de produzir baterias para veículos comerciais menores, como vans e também automóveis de passeio dentro dos próximos anos.

A bateria produzida atualmente pela empresa tem 98 Kw/hora. Cada uma conta com nove módulos, mede 2m x 70cm e pesa 570kg. Rezende cita como exemplo que um ônibus urbano precisa de 4 a 5 packs para rodar cerca de 300 quilômetros, equivalente a dia de trabalho.  

O executivo lembra que as baterias para os veículos menores terão a metade do tamanho e até menos dependendo do modelo. Terão também menos módulos e menor capacidade de armazenamento. Entretanto, destaca que atualmente o foco da empresa é a entrega de um bom produto para veículos pesados.

Capacidade instalada

A nova fábrica tem capacidade instalada para a produção de 5.000 baterias/ano, podendo ampliar se for preciso, já na próxima fase. A empresa conta com área coberta de 8 mil metros quadrado, mas usa atualmente apenas 1/3 do espaço. “Estamos preparados para atender todo o pós-vendas, para reparos, possíveis problemas de garantia, reparos, devoluções etc”, afirmou.

O movimento de expansão global da BorgWarner  inclui investimentos em fusões e aquisições como é o caso da compra há dois anos da fabricante de baterias alemã, Akasol e da empresa chinesa SSE de estações de carregamento, entre outras. Marcelo Rezende acrescenta que a Akasol já era fornecedora da Mercedes-Benz na Europa, o que favoreceu a empresa no Brasil.