Semipesados: cabine estendida e mais 400 kg de carga

103

A cabine curta em caminhões semipesados para distribuição urbana ou de curta distância, muitas vezes, pode ser desconfortável e a leito pode signifcar custo e peso desnecessários. Os concorrentes da Scania já haviam percebido que havia uma demanda no mercado para uma cabine intermediária, conhecida como cabine estendida.

Scania P 370 6×2 rear-steer box body.
Nykvarn, Sweden
Photo: Peggy Bergman 2014

Mesmo depois da concorrência, a Scania também percebeu essa lacuna na sua gama de semipesados e acaba lançar esse tipo de cabine para os modelos semipesados P 250 e P 310, tanto para a configuração 4×2 como para a 6×2. Outra novidade na gama é o pneu 275, mais leve e mais barato do que o 295. Em comparação com a cabine leito, segundo a Scania, a cabine estendida, associada com o pneu 275, permite um ganho de 400 kg na carga útil dos P 250 e P 310.
 
A vantagem de lançar a cabine estendida por último é que também ela chega com inovações interessantes. Segundo a empresa, o equipamento de descanso e o assento de passageiro, este de forma exclusiva na categoria, são rebatíveis. Isso permite ao condutor se movimentar internamente mesmo com o equipamento de descanso e o banco de passageiros montados para o repouso. O revestimento interno é de vinil. Se por um lado tem uma aparência de material mais barato, por outro facilita a limpeza da cabine. 


O P 250 vem equipado com o motor DC09 de 5 cilindros (9,3 litros), 250 cv e 117,2 mkgf de torque entre 1 100 e 1 300 rpm. Já o P 310 conta com o mesmo motor na versão mais potente, 310 cv e 158,2 mkgf na mesma faixa de rotação. Ambos os modelos saem de fábrica com câmbio automatizado, equipamento que vem se tornando padrão como item de série em algumas marcas que atuam fortemente no segmento de semipesados. 

Outro equipamento interessante é a balança digital no painel para medir o peso nos eixos traseiros (somente na versão 6×2) equipados com suspensão a ar. Porém, como a suspensão dianteira é com molas parabólicas, não há como ter a balança digital. A configuração 4×2 conta com suspensão dianteira e traseira com molas parabólicas e, também por isso, não tem como ter a balança digital. 

Compartilhar
Marcos Villela
Jornalista técnico e repórter especial no site e na revista Transporte Mundial. Além de caminhões, é apaixonado por motocicletas e economia! Foi coordenador de comunicação na TV Globo, assessor de imprensa na então Fiat Automóveis, hoje FCA, e editor-adjunto do Caderno de Veículos do Jornal Hoje Em Dia e O Debate, ambos de Belo Horizonte (MG).