7900 EH: proposta 65% mais econômica da Volvo

220

Autor das imagens: Divulgação/Volvo

Promover a eletromobilidade por meio de um transporte sustentável, eficiente, silencioso e confortável é a intenção da Volvo com o ônibus 7900 EH Elétrico Híbrido. O ônibus que opera no transporte coletivo de Curitiba (PR), em fase de testes desde agosto, percorre uma rota de 22,5 km entre as regiões norte e sul da capital paranaense. Esse trecho, que possui 40 paradas, se caracteriza por ser praticamente todo plano, com 11% de rampa e bom pavimento.

Para a aferição, operam na mesma rota, além do 7900 EH, os ônibus B 215 RH Híbrido e B 290 R diesel Euro 3. Esses dois veículos integram a frota da Auto Viação Redentor, empresa parceira da Volvo nesse estudo, que teve início em 2012 com o B 215 híbrido.

Com capacidade para transportar 90 passageiros, o 7900 EH possui motor diesel instalado na parte traseira do chassi, o Dk5 de 5 litros, que desenvolve potência de 240 cv e 92 mkgf de torque, e motor elétrico de 150 kW de potência e 122,4 mkgf de torque. Com esses recursos técnicos o ônibus atende à Euro 6, superando as normas brasileiras de emissões de poluentes. Para operar no modo elétrico ele equipa uma bateria de íon/lítio de 300 kg, também produzida pela Volvo. Sua bateria é 80 kg mais pesada em relação a bateria do ônibus híbrido, porém tem mais autonomia. Compõe o trem de força a transmissão I-Shift, automatizada de 12 velocidades. Essa caixa de câmbio é a mesma que é equipada nos caminhões da marca, porém com o software otimizado para operar no transporte de passageiros.

De série o modelo possui ar-condicionado, piso baixo e suspensão pneumática eletrônica que permite fazer o ajoelhamento do veículo na plataforma, acessível a idosos e portadores de deficiência física. Um recurso interessante e que faz a diferença para conquistar a fama de ônibus mais sustentável em operação no Brasil é sua capacidade de autogerenciamento. O veículo lê informações sobre topografia, comportamento do motorista no pedal do acelerador, peso do veículo e situação da bateria para tomar a ação de quando é possível rodar só no modo elétrico.

Na região central de Curitiba, a prefeitura limitou a velocidade de qualquer veículo a 40 km/h, no que chamou de Zona Calma. Nesse trecho, o 7900 EH foi programado para rodar respeitando o limite e sem emitir emissões e, para tanto, quando ele entra na região, automaticamente perde aceleração e passa a trabalhar apenas com o motor elétrico. Contudo, para poupar energia suficiente para trafegar nesse trecho, durante o percurso, o próprio sistema gerencia o motor elétrico.

OPINIÃO DE QUEM USA

Quem notou que estava a bordo de um veículo diferente foi Célia Valenga, que estava com amigas a caminho de casa. A aposentada diz que o silêncio a bordo é o que mais chama a atenção. “A gente tem de falar quase sussurrando para os outros não escutarem, de tão silencioso que é esse veículo. A gente se sente mais confortável. Deveria ter mais modelos como ele na cidade.”

E a aposentada está certa. Um dos atributos percebidos por quem está a bordo do Volvo 7900 EH é o silêncio, mesmo quando o motor a diesel entra em ação. E a explicação é que esse ônibus tem 10 decibéis a menos em comparação a um modelo equipado com motor diesel convencional. O modelo também apresenta economia de até 75% em relação ao diesel convencional Euro 3. Contudo, na aplicação em Curitiba, os resultados mostraram redução de consumo em torno de 65%.

Renan Schepanski, da engenharia de vendas da Volvo Bus Latin America, explica que isso se justifica pelo dimensionamento da aplicação. “O ideal é que se tenha uma estação de recarga a cada 10 ou 12 km. Entretanto, devido às limitações técnicas, temos uma estação somente em uma rota de 22,5 km. Levando isso em consideração, podemos dizer que os resultados estão nos surpreendendo positivamente”, ressalta o engenheiro.

O PROJETO

Schepanski explica que o projeto de demonstração do Volvo 7900EH é a terceira fase do cumprimento, pela Volvo, do MoU. O MoU (Memorandum of Understanding) é uma cooperação técnica assinada entre Volvo, prefeitura da cidade de Curitiba, URBS, Auto Viação Redentor, Auto Viação Cidade Sorriso, Siemens, Ericsson, SETRANSP e UTFPR e visa promover a eletromobilidade e as tecnologias de baixas emissões no transporte público. O objetivo principal a ser alcançado é a avaliação da viabilidade técnica, econômica e ambiental de cada tecnologia. Mas, além disso, o objetivo da Volvo no projeto é oferecer à população uma experiência em um transporte público sustentável, com ônibus modernos e confortáveis.

Sem mencionar preços, sob o argumento de que ainda não é possível avaliar comercialmente o veículo, já que ainda está em fase de testes, o engenheiro da Volvo ressalta que o modelo pode se pagar em cerca d’e seis anos, só com a economia de combustível.

O projeto com o ônibus híbrido, iniciado em 2012 também com os mesmos parceiros, culminou em cerca de 30 ônibus rodando hoje pela cidade. Para incentivar a compra desses modelos, a prefeitura da capital paranaense ofereceu subsídios como uma remuneração diferençada por km rodado e aumento da vida útil dos veículos para mais 2 anos, totalizando 12 anos de uso. Se nessa experiência com o elétrico híbrido os incentivos forem os mesmos, o empresário ainda teria mais seis anos só de lucro.

VIDA ÚTIL DAS BATERIAS

Uma vez que esses veículos estiverem operando comercialmente, a Volvo do Brasil dará todo o suporte com relação às baterias, desde possíveis defeitos ao descarte, no final da vida útil.