TA mostra como superar a crise econômica e crescer

357

Para enfrentar a crise econômica que o Brasil atravessa, a TA fez uma grande reformulação e se organiza em um novo formato de negócios, sendo um exemplo a seguir para se renovar. “As empresas que sobreviverem esta crise serão mais eficientes depois”, diz Celso Luchiari, diretor da TA.

O Grupo TA era formado por três empresas: Transportadora Americana (transporte rodoviário de cargas), TAExpress (distribuição expressa de cargas) e TALogística (armazenagem de cargas), cada uma funcionando com CNPJ e estruturas próprias. Este ano, a TA passou a atuar como uma única empresa, otimizando recursos, oferta de serviços, inteligência tributária e soluções mais eficientes para os setores que a companhia atua (farmacológico, cosméticos, eletrônicos e têxteis).

A ideia da otimização das três empresas em uma única foi o principal ponto do planejamento iniciado em outubro de 2014, que tinha como objetivo traçar um plano para o grupo chegar aos 100 anos (hoje tem 74 anos). “Há um ano nós não tínhamos ideia nem de 10% do quanto está sendo a crise de 2015. Porém, tudo que começou a ser planejado veio ao encontro das ações necessárias para superar as atuais dificuldades de mercado”, acrescenta Luchiari.

Com a nova configuração, as três empresas (Transportadora Americana, TALogística e TAExpress) ficam integradas sob a marca TA, mantendo todos os contratos e serviços já praticados. O diretor da TA explica que cada divisão de atuação mantém sua base de conhecimento e sua diretoria, mas os talentos e sistemas passam a atuar colaborativamente, interpretando mercados e clientes de forma mais integrada. A Universidade do Transporte manterá sua missão, apoiando com geração de conhecimento e desenvolvimento para todos os profissionais da empresa, sejam diretos ou terceirizados.


Celso Luchiari acredita que 2016 será um ano tão difícil quanto 2015, porém, com todos as mudanças promovidas este ano será mais fácil atravessar o próximo ano do que está sendo este, pois todos os ajustes já foram feitos. Única preocupação que ele espera que não ocorra é que algum dos atuais clientes quebre, pois muitas empresas estão com sua saúde financeira fragilizada devido a atual situação econômica do país.

Atualmente, a TA trabalha com uma frota de 1 250 veículos, sendo cerca de 30% de frota própria e 70% terceirizada. Até o ano passado, a proporção 40%/60%, porém, segundo Luchiari, a terceirização de frota é um modelo de negócio que tem funcionado muito bem, tanto para a empresa quanto para o autônomo ou microempresário (autônomo que abriu empresa e possui dois ou mais caminhões agregados). “Os terceirizados seguem os mesmos padrões dos motoristas contratados, recebem o mesmo nível de treinamento e seguem as mesmas regras de conduta e segurança”, acrescenta. Essa frota que mantinha idade média de três anos, agora segue com quatro anos, pois a crise não permite, no momento, fazer a renovação.

TA EM NÚMEROS 

Filiais: 43
Frota: 1.250
Idade média da frota própria:  4 anos
Toneladas transportadas em 2014: 184.560.006
Despachos realizados em 2014: 1.605.376
Faturamento bruto em 2014: R$ 300 milhões
Horas de treinamento por colaborador em 2014: 75

Compartilhar
Marcos Villela
Jornalista técnico e repórter especial no site e na revista Transporte Mundial. Além de caminhões, é apaixonado por motocicletas e economia! Foi coordenador de comunicação na TV Globo, assessor de imprensa na então Fiat Automóveis, hoje FCA, e editor-adjunto do Caderno de Veículos do Jornal Hoje Em Dia e O Debate, ambos de Belo Horizonte (MG).