Volvo lança sexta geração do I-Shift no Brasil

253

Dando continuidade a uma história que começou receosa em 2003, quando o Brasil recebeu a primeira transmissão I-Shift da Volvo e haviam dúvidas sobre sua aceitação neste mercado, a fabricante lança a sexta geração da caixa e vê um futuro promissor para os câmbios automatizados no país.


Com a promessa de entregar eficiência, a I-Shift de sexta geração é até 3% mais econômica que sua versão antecessora. Dotada de novo software, a transmissão ficou mais inteligente e ‘esperta’, graças às conexões entre a caixa e os módulos que compõem sua eletrônica. O resultado disso, é uma caixa que oferece trocas mais precisas, diminui o consumo de diesel, e torna a operação mais confortável, mas sem abrir mão de performance.

“A inteligência da I-Shift entende qual é o momento adequado para despender mais potência e garante um comportamento correto para cada situação”, explica Álvaro Menoncin, gerente de engenharia de vendas da Volvo. “Associada ao avançado sistema I-See e aos sensores posicionados na caixa, esta nova geração entende perfeitamente qual a carga transportada, bem como a topografia a sua frente, otimizando as trocas e garantindo baixo consumo de combustível com maior velocidade média”, complementa Deonir Gasperin, engenheiro de vendas da marca.

OPÇÕES DE CAIXA
Ademais da versão de 12 velocidades, a I-Shift passa a ser oferecida em duas outras opções: de 13 e 14 marchas. Indicada para trajetos acidentados ou de topografia difícil (como as serras), a opção de 13 velocidades privilegia o arranque, o que é útil em condições adversas; apesar disso, a opção registra menor giro, o que auxilia no consumo contido de combustível.


Já a opção de 14 velocidades, que também conta com overdrive (super reduzida), oferece um melhor controle de velocidade e é indicada para operações de baixíssima velocidade, com média entre 0,5 e 2 km/h. Aliás, além de trabalhar na velocidade de 0,5 km/h, a caixa também é indicada para rampas. “É muito útil em manobras de precisão, como em canteiros de obras, no transporte de cargas muito grandes ou simplesmente em transportes que rodam muito lentamente”, explica Gasperin.

Na I-Shift de 13 marchas a relação da primeira marcha é de 19: 1 em uma caixa de velocidades de transmissão direta, ou 17: 1 em uma caixa de velocidades com Overdrive. A relação entre a marcha mais baixa em uma I-Shift normal é de 15: 1. Na caixa I-Shift Super Reduzida com 14 marchas a relação da primeira marcha é de 32: 1. Por fim, a relação da marcha à ré na Caixa I-Shift Super Reduzida é de 37: 1.

TEST-DRIVE
A bordo de um Volvo FH 500, a TRANSPORTE MUNDIAL teve suas primeiras impressões da nova geração da caixa. Ainda que em duas voltas não se possa ter um diagnóstico preciso, a nova I-Shift mostrou desenvoltura e proporcionou grande controle durante o test-drive na pista da fabricante, em Curitiba (PR). Outra característica do caminhão é o conforto que a caixa proporciona, com trocas suaves e de grande precisão.


Vale lembrar que a sexta geração da caixa automizada foi apresentada durante o IAA 2016. Segundo a Volvo, existem, hoje, 1.500 caminhões Volvo equipados com I-Shift no mercado brasileiro.