ACitroën começa a comercializar no Brasil o seu furgão Jumpy. O modelo tem as mesmas características técnicas do irmão Peugeot Expert, ambos fabricados pelo Grupo PSA na Europa e, para o mercado da América Latina, estão sendo montados na fábrica da Nordex em Montevidéu, no Uruguai.

O preço inicial é de R$ 79.990 para a versão básica, mas que já vem bem equipada, com controle de estabilidade, auxílio de partida em rampa, airbas duplo, ABS, protetor de cárter, volante e banco do motorista com regulagens, piloto automático, indicador para troca de marcha, rádio AM/FM com entrada para MP3, vidros e travas com acionamento elétrico, tomada 12V e separador de carga.

Por R$ 87.990, há a opção da versão Pack, incluindo os seguintes equipamentos: Moduwork (amplia o espaço de carga), ar-condicionado, retrovisores elétricos, plip compartimento de carga (travamento separado das portas de passageiros e de carga), vidros com função um toque, tomada 12V no compartimento de carga, faróis de neblina e encosto do banco central com encosto tipo prancheta).

Paulo Solti, diretor geral da Citroën, chama a atenção para o preço competitivo. “A VW Kombi foi o veículo mais competitivo por causa do seu preço competitivo. Se ela ainda fosse comercializada, o seu preço atualizado seria de R$ 68 mil. O Jumpy entrega muito mais, como motor turbo diesel, equipamentos de segurança e maior capacidade de carga por pouco mais que custaria uma Kombi hoje”, compara.

Assim como no Peugeot Expert, o Citroën Jumpy é equipado com motor turbo diesel 1.6 Blue HDi com 115 cv de potência e torque de 30 mkgf com tecnologia Euro 6. O câmbio é manual de seis marchas e os freios são a disco ventilados no eixo dianteiro e disco no traseiro.

O compartimento de carga tem capacidade para 6,1 m3 na versão de entrada e de 6,6 m3 na Pack, com o opcional moduwork (uma abertura para objetos de até 4,02 m de comprimento sobre o assento do banco do passageiro. O acesso ao espaço de carga pode ser por uma porta lateral deslizante ou pelas portas traseiras que permitem abertura de 180º para facilitar o acesso por empilhadeiras.

Estratégia da Citroën

Assim como a Peugeot, a Citroën promete um pós-venda diferenciado para o Jumpy, inclusive com preços fixos para revisões e garantia de três anos sem “pegadinhas” como a garantia do Hyundai HR, que não cobre 100% do veículo no período de garantia e conta com várias exceções acrescentada no decorrer do tempo.

Chamado de Compromissos Citroën Pro, a marca garante revisão em um dia e prioridade para o Jumpy, facilidade de pagamento de peças e serviços e oito anos de assistência 24h gratuita com reboque.

Atualmente, 15 concessionárias Citroën contam com setor de atendimento exclusivo para atendemento de clientes de veículos comerciais. A meta é chegar a 30 cidades com o Citroën Business Center até 2020. Porém, a venda e assistência técnica não será exclusiva desta rede, mas por todas as autorizadas Citroën. Nuno Coutinho, diretor de marketing da Citroën, ressalta que funcionários das 106 concessionárias da marca receberam treinamento para o atendimento do público profissional.

Coutinho acrescenta que mais dois furgões serão lançados, o novo Jumper e o compacto Berlingo, além de novas versões do Jumpy. Esses modelos já foram vendidos no Brasil e retornarão no mesmo padrão tecnológico que é vendido para os europeus. O objetivo da Citroën é ter 10% do mercado de furgões no Brasil e, sem dúvida, vender mais do que Mercedes-Benz Vito, que teve 321 unidades emplacadas de janeiro a agosto desde ano.

No entanto, tanto Citroën e Peugeot vão buscar também clientes do Hyundai HR que compram o chassi cabine para implementação de baú. O HR é mais barato, porém, com o custo do baú ele fica mais caro do que o Jumpy.

Compartilhar
Editor da revista e site Transporte Mundial desde fevereiro de 2002. Além de caminhões, é apaixonado por motocicletas e economia! Foi coordenador de comunicação na TV Globo, assessor de imprensa na então Fiat Automóveis, hoje FCA, e editor-adjunto do Caderno de Veículos do Jornal Hoje Em Dia, de Belo Horizonte (MG).
  • mjprio

    Se esses carros forem bons no uso contínuo, a PSA trouxer realmente as novidades que esta prometendo e acima de tudo emplacar esse prometido pos venda, terá tudo pra conquistar o mercado, pelo menos no que tange o mercado de veiculos comerciais.
    Versões de passageiros desse Jumpy podera reconquistar a parcela de consumidores saudosos de veículos como Kombi, Besta, etc.. mas que agora contara com um veículo mais moderno e seguro e, porque nao mais barato que a Vito