A Scania acredita que até 2050 as tecnologias de veículos comerciais elétricos estarão bem-resolvidas, mas até lá, ela acredita que os veículos híbridos com combustíveis alternativas são as melhores soluções para o curto prazo.

Para Christian Levin, diretor de vendas e marketing da Scania na Europa, seria agora inútil lançar produtos que não atendam à realidade comercial dos clientes, se referindo aos caminhões 100% elétricos.

A montadora acredita que a paridade de custo total de propriedade entre caminhões elétricos e a diesel deverá ser alcançada em 2031, inclusive, para modelos rodoviários de longa distâncias.

Híbrido e híbrido plug-in

Assim, enquanto 2031 não chega, a empresa vai mostrar duas soluções que ela acredita serem economicamente viáveis: caminhão híbrido (HEV) e híbrido plug-in (PHEV) que serão os destaques da marca no Salão de Hannover (IAA), maior feira de veículos comerciais que ocorre entre os dias 20 e 27 de setembro, na Alemanha.

Os modelos a serem apresentados terão foco no segmento de distribuição. O HEV começa a ser vendido em novembro deste ano, e o PHEV, em 2019.

A ideia é que o motor a combustão seja utilizado no subúrbio e o elétrico em regiões mais centrais e mais sensíveis a poluição.

O Scania híbrido estará equipado com motor DC09 de cinco cilindros em linha movido a HVO (óleo vegetal tratado, também conhecido como biodiesel hidrogenado) ou diesel, e com motor elétrico de 130 kW (equivalente a 177 cv de potência) e torque de 1.050 Nm (107 mkgf).

Os motores a combustão e elétrico podem ser utilizados de forma independente, conforme a necessidade de cada operação. Isso porque motores elétricos auxiliares garantem o abastecimento de ar dos sistemas de freio e direção.

Veja a posição da Mercedes-Benz sobre caminhões elétricos:

Leia mais sobre elétricos:

BYD cresce 119% no Brasil

Ambev quer mais de um terço da frota de elétricos até 2023

Compartilhar
Editor da revista e site Transporte Mundial desde fevereiro de 2002. Além de caminhões, é apaixonado por motocicletas e economia! Foi coordenador de comunicação na TV Globo, assessor de imprensa na então Fiat Automóveis, hoje FCA, e editor-adjunto do Caderno de Veículos do Jornal Hoje Em Dia, de Belo Horizonte (MG).