A Foton relança seus caminhões de 3,5 t e 10 t de PBT com novos nomes e com um forte apelo de conteúdo nacional, virando a chave de importadora de veículos chineses para montadora nacional.

Para isso, a empresa alugou uma linha de montagem na fábrica da Agrale, em Caixas do Sul (RS). De lá já saem os chassis cabine Minitruck 3.5-12 DT, Minitruck 3.5-14 ST, Minitruck 3.5-14 DT e o caminhão leve Citytruck 10-16.

Os Minitruck (com motores de 111 cv e 131 cv) concorrem com Kia Bongo (136 cv), Hyundai HR (136 cv), Mercedes-Benz Sprinter (129 cv e 146 cv), Renault Master (130 cv) e Iveco Daily (146 cv e 170 cv). O Citytruck (161 cv) concorre com caminhões leves como VW Delivery 10.160 (160 cv) e Mercedes-Benz Accelo 1016 (156 cv).

Como o Foton Citytruck tem PBT técnico de 10.700 kg, ele concorre também com o Ford Cargo 1119 (189 cv) em locais que não estão sujeitos à Lei da Balança, já que o PBT dele homologado é de 9.990 kg. O PBT legal do Ford Cargo 1119 é de 10.510 kg.

Para tornar os modelos mais atrativos, os Foton saem de fábrica com ar-condicionado, vidros elétricos, trava elétrica das portas, rádio com MP3/USB, defletor de teto, volante regulável, acelerador manual eletrônico e sensor sonoro de ré.

Vale ressaltar que, para efeitos legais, o Minitruck, assim como qualquer veículo com compartimento de carga separado do de passageiros e PBT até 3.500 kg, é classificado como camionete. No entanto, pelo fato de o modelo da Foton ter chassi tipo escada e cabine basculante com aparência de caminhão é que a empresa “batizou” com o nome Minitruck. Na China e, até então no Brasil, o nome era Aumark.

Trem de força

O Minitruck 3.5-12 DT conta com entre-eixos de 2.600 mm e rodado duplo no eixo de tração. O Minitruck 3.5-14 tem entre-eixos de 3.360 mm, tanto na versão ST (rodado simples) como na DT (rodado duplo). O motor diesel é o mesmo para todos os Minitruck. Trata-se do Cummins ISF 2.8 com potência de 111 cv no 3.5-12 DT e 131 cv no 3.5-14 ST/DT, sempre a 3.600 rpm e alimentado pelo sistema common rail. Já o torque não varia e entrega 28,5 mkgf de 1.400 a 2.600 rpm.

O sistema de pós-tratamento dos gases é EGR (dispensa o uso de Arla 32). A versão com 111 cv (3.15-12) não conta com freio motor no cabeçote (borboleta de exaustão) como no 3.5-14. O câmbio manual é ZF 5S 440 de 5 velocidades com overdrive. O trem de força, eixo traseiro (Dana), suspensões, sistemas de freio a tambor, pneus, chassi, entre outros itens, são produzidos por fornecedores tradicionais do mercado brasileiro. O eixo dianteiro é da própria Foton que, assim como a cabine, é importado da China.

O Citytruck é equipado com motor diesel Cummins ISF 3.8 de 161 cv a 2.600 rpm e torque de 60 mkgf de 1.200 a 1.900 rpm, também alimentado por common rail. Nesta motorização, o pós-tratamento de gases é SCR, portanto, requer o uso do líquido Arla 32. A caixa de marchas é a ZF 6S 500 com overdrive e os eixos dianteiro e traseiro são Dana.

No caminhão leve, a Foton apostou na suspensão com molas parabólicas tanto no eixo dianteiro quanto no traseiro. Ele e o Mercedes-Benz Accelo são os únicos do segmento que adotam essa solução que oferece mais conforto para o motorista e menos impacto para a carga. Os demais modelos da categoria adotam a mola parabólica apenas no eixo dianteiro e molas semielípticas no eixo traseiro.

A Foton informa que o Citytruck 10-16 possui mais de 65% de índice de nacionalização, o que o credencia para receber financiamento via Finame.

Sobre a Foton

A Beiqi Foton é atualmente o maior fabricante de caminhões na China. Já a Foton Caminhões é uma representante da marca no Brasil que começou (desde 2010) importando os veículos e, agora, a montá-los. Está nos planos da empresa a construção de uma fábrica Guaíba (RS). Ao mesmo tempo, a Foton China já abriu escritório em Porto Alegre (RS) para criação da subsidiária no Brasil e aumentar a sua presença gradativamente.

Compartilhar
Editor da revista e site Transporte Mundial desde fevereiro de 2002. Além de caminhões, é apaixonado por motocicletas e economia! Foi coordenador de comunicação na TV Globo, assessor de imprensa na então Fiat Automóveis, hoje FCA, e editor-adjunto do Caderno de Veículos do Jornal Hoje Em Dia, de Belo Horizonte (MG).