Caminhões importados dos EUA irão reforçar a frota do Exército brasileiro

684

O Exército brasileiro vai reforçar a sua frota de viaturas, com 20 caminhões importados dos Estados Unidos. Os veículos são do modelo MaxxPro Recovery Vehicle, produzidos pela empresa  norte-americana Navistar Defense.

Os caminhões foram desembarcados ontem (08/08) no Terminal de Contêineres de Paranaguá (TCP) do Porto de Paranaguá/PR.

Os 20 caminhões foram desembarcados no Porto de Paranaguá

Caminhões importados são inéditos no Brasil

De acordo com o Exército Brasileiro, esses caminhões são inéditos no Brasil. Eles serão utilizados em resgates de viaturas blindadas, do tipo Guarani, em campo de batalha.

Além disso, esses caminhões importados resistem a disparos de armas de calibre 5.56 mm e 7.62 mm. Do mesmo modo, resistem a estilhaços de artilharia, minas e explosivos. E, por fim, possuem capacidade para o reboque de até 42 toneladas.

Programa Forças Blindadas

A compra faz parte do Programa Forças Blindadas. Essa do Exército integra o Portfólio Estratégico da Força Terrestre. A aquisição irá capacitar a frota blindada.

Segundo o Exército, para a compra dos caminhões começou em 2018 e passou por diversas etapas, conforme os requisitos operativos do Exército.

Os caminhões serão transportados para Curitiba após terem a documentação liberada.  A operação é de responsabilidade da Seção Logística do Comando da 5ª Divisão do Exército. Logo em em seguida, serão distribuídos para o Exército brasileiro em diferentes localidades do País.

De acordo com o coronel Éder Valério Pellegrini, do Comando da 5ª Região Militar, fatores como a tecnologia e a disponibilidade e o atendimento  influenciaram na escolha pelo serviço Terminal de Contêineres de Paranaguá.

Ele destacou a proatividade na preparação para as viaturas serem recebidas, com o pronto-atendimento em todos os canais disponíveis para sanar as dúvidas. O coronel citou também como a proximidade do porto de Paranaguá com Curitiba, onde será o destino provisório dos caminhões.

Pellegrini citou também a modernidade dos equipamentos do terminal para a movimentação de cargas, bem como a capacitação e a experiência dos profissionais do terminal. 

Conforme afirmou o gerente de operações logísticas, Fabio Mattos,  o terminal conta com uma estrutura grande para atender “Cargas Projeto”. Esse tipo de carga são aquelas com medidas, dimensões e pesos fora dos padrões para o embarque em contêineres convencionais.

Ainda de acordo com Mattos, o TCP realiza investimentos pesados em tecnologia. Além disso, possui esquipe especializada para alcançar recordes. “Já operamos minicarregadeiras, escavadeiras, caminhões, colheitadeiras e tratores.

Segundo ele, o movimento no TCP é de 600 máquinas por mês em média. “A nossa expectativa é ultrapassar 7.000 máquinas até o final de 2023”, concluiu Mattos.”