Inteligência artificial no transporte reduz mortes nas estradas

103

O uso da inteligência artificial no transporte e das tecnologias podem contribuir para a prevenção de mortes nas rodovias. Em 2023, a Agência Nacional de Transportes – ANTT, contabilizou 76.637 acidentes em rodovias privatizadas, registrando aumento de 14,6% em relação ao ano anterior. Segundo dados do Atlas de Acidentalidade Brasileiro, apenas 7,1% dos acidentes foram decorrentes de defeitos nas vias ou nos veículos.

As estatísticas indicam o impacto da gestão das empresas de transporte nas operações com motoristas e ressaltam a urgência de um olhar direcionado ao fator humano nos negócios do setor. Afinal, essa é um dos caminhos mais eficazes para aumentar a segurança nas estradas.

De acordo com o diretor LATAM da Trimble na divisão de transportes, Rony Neri, as soluções de Inteligência Artificial no transporte disponíveis no mercado, como sensor de fadiga e cansaço, analisam em tempo real riscos iminentes, distrações, uso de celular e sonolência emitindo alertas sonoros e comunicação imediata com os motoristas e gestores das equipes.

“Os veículos que monitoramos obtiveram um número de 86% na redução de acidentes, e isso revela como a tecnologia impacta na sociedade, inclusive mantendo vidas em segurança”.

Tecnologias como vídeo com telemetria inteligente, visa mitigar riscos e garantir a proteção tanto dos condutores quanto das frotas. A solução não só analisa como categoriza ocorrências e infrações por nível de gravidade, uma abordagem que também é respaldada por resultados tangíveis.

Inteligência artificial no transporte: empresas reduzem incidentes envolvendo fadiga

O LOTS Group, empresa brasileira de transportes, adotou tecnologias da Trimble para controle de fadiga e uso de celular, e obteve uma redução significativa nos incidentes relacionados a cansaço entre os condutores da frota.

A implementação de câmeras capazes de identificar distração por uso de celular ou sonolência, resultou em uma impressionante queda de 87% nesse tipo de ocorrência. Além disso, os casos de excesso de velocidade diminuíram em 78%.

Outra empresa que também obteve resultados satisfatórios foi a Conebel, usuária de inteligência artificial no transportes da Trimble. Ao implementar as soluções telemetria e videomonitoramento em seus veículos, a empresa alcançou uma redução de 75% nas ocorrências de fadiga entre os motoristas, além de uma diminuição de 56% nas distrações durante as viagens.

Estes indicadores  tiveram reflexos diretos, incluindo a eliminação do excesso de velocidade durante as viagens e a redução significativa de ocorrências relacionadas ao uso de eletrônicos ao volante, uma das principais causas de morte no trânsito. Segundo dados da Highway Safety, a cada 8 km/h adicional, cresce em 4% o número de mortes, se o mesmo cálculo for aplicado apenas para rodovias, o número sobe para 8%.

A Inteligência Artificial vem contribuindo para uma condução eficiente dos motoristas e como forte aliada no combate ao roubo de carga e também na manutenção preventiva.

A Bracell – produtora de celulose solúvel e especial- inseriu câmeras com IA nas cabines dos caminhões, que são monitoradas 24 horas por uma central integrada. O gerente de logística florestal, Jaime Heidgger Júnior, explica que o sistema com as câmeras com inteligência artificial monitora e auxilia, com alertas sonoros, em tempo real, 24 horas por dia, ao detectar que o motorista apresenta eventuais sinais de cansaço, sonolência e quaisquer outros desvios de atenção. O sinal emitido do veículo chega para os profissionais qualificados da Central Integrada de Monitoramento que, ao perceberem qualquer indício de fadiga mais grave, orientam o motorista a parar o caminhão em local seguro para descansar.

Inteligência artificial no transporte: ajuda a identificar o cansaço do caminhoneiro

O monitoramento também permite criar “cercas virtuais” que delimitam regiões habitadas, especialmente na zona rural, em que o motorista deve respeitar o limite máximo de velocidade para evitar poeira, ruídos excessivos e riscos à segurança de moradores e animais domésticos. “Toda nova tecnologia precisa ser muito bem trabalhada com os usuários. Por isso, fizemos um intenso trabalho de apresentação dos benefícios do sistema para os motoristas, além dos períodos de testes com as equipes, sanando quaisquer dúvidas. De forma geral, percebemos uma boa recepção dos motoristas, que avaliam que o sistema oferece mais confiança e segurança para a atividade do transporte de madeira”, explicou.

Para Jaime Heidgger esse sistema – adotado em 100% da frota da Bracell –  permite uma maior conscientização de todos os envolvidos na operação de transporte sobre a importância de tratar a fadiga e outros pontos de atenção que envolvem a atividade já diante dos primeiros sinais, fazendo com que possíveis problemas sejam evitados no início, sem trazer danos para os condutores e para as comunidades que estão no entorno das operações da empresa.

“Essa tecnologia está se tornando cada vez mais viável e acessível e, quando se coloca na balança o custo x benefício, ela se mostra muito atrativa, porque garante mais segurança para os condutores e para a operação de transporte de madeira. Além disso, a IA já ajuda muito o setor e torna a operação mais eficiente e segura, tanto para os motoristas como também para a empresa, que se preocupa em atuar de modo cada vez mais sustentável, e para as comunidades por onde trafegam os veículos a serviço da empresa”, destacou.

Além de auxiliar os motoristas, a inteligência artificial no transporte também está sendo usada para combater o roubo de carga. Afina, além da interceptação de caminhões nas rodovias, uma das táticas empregadas pelas quadrilhas é a tentativa de infiltrar seus membros nas equipes das empresas de transporte e logística. Assim é possível atuar nas atividades do dia a dia e ter acesso às informações para facilitar as abordagens. Outra estratégia dos criminosos é acompanhar sites com publicações de fretes e participar dessas contratações.

Inteligência artificial no transporte: reduz roubo de carga e imprevistos 

A empresa CargOn tem investido em softwares de logística para tentar bloquear esse tipo de ação. A logtech integra e automatiza processos operacionais logísticos, proporcionando uma visão on-line de dados, informações e desempenho de cada operação. “Esse diagnóstico em tempo real atua como um incremento, um ‘plus’, inclusive para empresas que não possuem tecnologia, proporcionando mais segurança ao processo logístico tanto para o embarcador quanto para as transportadoras”, afirma o fundador e CEO da CargOn, Denny Mews.

Conforme explica Mews, o sistema possibilita o monitoramento do transporte da carga por meio de um aplicativo de celular. A gestão do processo de carga e descarga calcula o tempo necessário para essas operações, reduzindo o tempo ocioso da frota. Além disso, toda a documentação relacionada ao processo de transporte e logística, incluindo os documentos dos condutores, também passa por checagem e monitoramento através dessa ferramenta.

 “Ou seja, tudo o que acontece na operação é acompanhado e organizado em tempo real. O dashboard, painel de informações com métricas e indicadores, é constantemente atualizado. Então, a empresa responsável pela carga enxerga o processo de ponta a ponta, com condições de identificar alguma anormalidade, e assim tomar decisões que possam minimizar riscos”, observa Mews. Além disso, o uso de Inteligência Artificial para validar documentos e fotos dos condutores tem sido um aliado para mitigar riscos.

Outro ponto de benefício do uso da Inteligência Artificial está na gestão de operações logísticas que permite identificar vícios e problemas que, quando corrigidos, diminuem a frequência de reparos necessários. Isso resulta na redução dos custos com oficinas e manutenção. Assim, o que costumava ser considerado uma despesa rotineira está começando a ser reconhecido como desperdício. “Os gastos com manutenção podem representar 20% dos custos de uma frota, então reduzir isso é importante para a sustentabilidade financeira da empresa, sem contar os impactos socioambientais”, avalia Mews.

A plataforma não faz a gestão da manutenção porém, fornece um leque de dados e diagnóstico para o aprimoramento da gestão. De maneira online, incluindo o uso de aplicativos móveis, todo o processo pode ser acessado em tempo real. Utilizando o aprendizado de máquina, a inteligência artificial identifica os gargalos e intervenções necessárias. “Com esse monitoramento e a tomada de decisões precisas, ocorre uma redução no consumo de combustível e menor desgaste da frota. É nesse ponto que a necessidade de manutenção é minimizada”, conforme destacado por Mews.