A grande aposta da Fiat em 2016 atende pelo nome de Toro. Desenvolvida no Brasil, a picape tem mostrado que veio para competir em pé de igualdade com as demais picapes do país e seu sucesso é refletido nos números de mercado. Lançada em fevereiro, o modelo já é o quarto veículo comercial leve mais vendido no acumulado de vendas do país, com 11.703 unidades emplacadas, segundo os dados de maio da Fenabrave.

IFrame

O desafio da Toro no mercado brasileiro não é simples. Com apenas um concorrente direto no segmento intermediário (Renault Duster Oroch), que figura entre as categorias pequena e média, a picape tem a missão de convencer habituais clientes de outros segmentos a comprá-la. É que o preço da Toro pode ser um impeditivo para quem precisa de um veículo menor e mais simples e sua caçamba pode ser pequena para quem precisa de uma picape com maior capacidade de carga. 

SONY DSC

– FIAT TORO FREEDOM AT 1.8 FLEX – R$ 76.500
– FIAT TORO FREEDOM MT 4×2 2.0 16V TURBO DIESEL – R$ 93.900
– FIAT TORO FREEDOM MT 4×4 2.0 16V TURBO DIESEL – R$ 101.900
– FIAT TORO VOLCANO AT 4×4 2.0 16V TURBO DIESEL – R$ 116.500

SONY DSC

A versão testada pela TRANSPORTE MUNDIAL é a Freedom, com motor 1.8 Flex. A plataforma agrada pelo bom nível de conforto e a direção ergonômica favorece a dirigibilidade da picape. A suspensão multilink também contribui para aumentar o bem estar dos passageiros, já que absorve bem os desafios das vias. O nível de tecnologia empregado na picape e sua versatilidade a coloca muito próxima de SUV.

SONY DSC

Mesmo que o modelo tenha se mostrado valente em trechos urbanos e rodoviários, seu motor E.torQ, de 1.8 litros, mexido pela Fiat especialmente para a Toro, ainda deixa muito a desejar no quesito potência. Para diferenciar o propulsor que o Jeep Renegade recebe, a Fiat adotou um inédito coletor de admissão variável. A peça plástica usa dutos de comprimentos diferentes para, junto com uma nova calibração da injeção, dar até 7 cv extras ao propulsor da picape. Por outro lado, carregado com 300 kg de carga para o teste (pouco menos da metade de sua capacidade de carga de 650 kg), a picape não demonstrou sentir o peso da operação. O câmbio automático adaptativo de 6 marchas que equipa a Toro é bom, mas acaba gerando trocas imprecisas por causa do motor, a ponto de forçar a segunda marcha em uma ladeira.    

Se falta motor, o mesmo não pode ser dito sobre os equipamentos da Toro. Na versão de entrada, a picape conta com trio e direção elétricos, ar-condicionado, controlador e limitador de velocidade e sensor de ré.

Computador de bordo, ESC (controle eletrônico de estabilidade), Hill Holder (auxiliar de partida em rampa) rádio Connect com USB e Bluteooth, volante com regulagem de altura e profundidade, USB traseira e revestimento de caçamba completam os equipamentos da versão. Apesar de contar com diversos comandos, sentimos a falta do controle do rádio no volante.

A fabricante oferece ainda opcionais como rodas de liga leve de 16″, sensor de pressão dos pneus, câmera de ré e estofamento parcialmente em couro.

   FICHA TÉCNICA: TORO FREEDOM 1.8 FLEX (6 MARCHAS):

Motor 1.8 E.torq EVO VIS Flex AT6
Posição transversal, dianteiro
Cilindros 4 em linha
Cilindrada 1.747 cm³
Potência 135/139 cv a 5.750 rpm (g/e)
Torque 18,8/19,3 kgfm a 3.750 rpm
Válvulas 16
Câmbio 6 marchas à frente e uma à ré
Tração dianteira, com juntas homocinéticas e bloqueio eletrônico do conversor de torque
Freios ABS, ESP, ASR e Hill Holder; dianteiro a disco ventilado e traseiro a tambor
Suspensão dianteira McPherson com rodas independentes, braços oscilantes em aço estampado fixados ao subchassis e barra estabilizadora; amortecedores hidráulicos, telescópicos de duplo efeito; mola helicoidal
Suspensão traseira Multilink com rodas independentes, links transversais e longitudinais, barra estabilizadora, amortecedores Hidráulicos, telescópicos de duplo efeito; mola helicoidal progressiva à carga
Direção elétrica
Capacidade de carga 650 kg
Peso 1.619 kg
Tanque 60 litros
Velocidade máxima 172/175 km/h (g/e)