Braspress compra lote de 135 caminhões Mercedes-Benz para ampliação e renovação de frota

304

A Braspress acaba de adquirir um lote de 135 caminhões Mercedes-Benz para a ampliação e renovação de parte de sua frota de veículos de carga. Com os novos modelos a frota da empresa passa a contar com 3.090 caminhões, dos quais a maioria (cerca de 2.500) são da marca alemã com estrela.

Lote adquirido de 135 caminhões Mercedes-Benz será para ampliar e renovar a frota da Braspress

O lote aquirido é formado por 90 modelos leve Accelo 817, 15 unidades do Atego médio 1419 e 30 extrapesados Actros 2045. A venda foi realizada pela concessionária De Nigris, parceira da Braspress de longa data .

De acordo com Urubatan Helou, vice-presidente da Braspress, a aquisição é parte de um investimento de R$ 116 milhões em ampliação e renovação da frota de caminhões e carretas.

Inovação e investimentos

“Inovação e investimentos fazem parte das atividades da organização desde sempre e, ao iniciarmos mais um ano de trabalho, não poderia ser diferente. Nós não medimos esforços para atender nossos clientes, sempre prezando pela qualidade e responsabilidade”, disse Urubatan Helou.

A entrega dos caminhões aconteceu na fábrica da Mercedes-Benz, em São Bernardo do Campo/SP e teve a presença de Jefferson Ferrarez, vice-presidente de Vendas, Marketing e Peças & Serviços Caminhões da Mercedes-Benz do Brasil e de Achim Puchert, presidente da Mercedes-Benz do Brasil & CEO América Latina.

Parceria de longa data com a Mercedes-Benz

Na ocasião, Urubatan Helou citou que a parceria com a Mercedes-Benz vem de longa data, desde a criação da Braspress 47 anos atrás.  Lembrou que o primeiro caminhão da empresa foi um Mercedes-Benz 1113, ano 1971, um basculante que recebeu um diferencial mais longo para atender a demanda da transportadora.

“E ao longo desse tempo, desenvolvemos uma relação de muito comprometimento com os nossos negócios, o que envolve também a concessionária De Negris”, lembrou.

Jefferson Ferrarez, por sua vez, destacou o orgulho e satisfação em atender por quase cinco décadas um cliente que investe permanentemente em sua estrutura, inovação, qualidade de atendimento, frota e pessoas para oferecer o melhor serviço aos seus clientes.

Criada em 1977 por Urubatan Helou e pelo sócio Milton Petri, a Braspress opera na distribuição de encomendas no Brasil e Mercosul. Para cobrir toda sua área de atuação a empresa conta com 117 filiais e aproximadamente 2.000 veículos agregados.

Falta de motoristas

Durante o evento de entrega dos caminhões, Urubatan Helou destacou a falta de motoristas e disse que esse problema poderá se agravar ainda mais se não houver ações efetivas para atrair profissionais para a profissão.

“Hoje, a idade média dos motoristas é de 54 anos e temos muita preocupação como será daqui a cinco anos. É preciso de formar motoristas, todos nós devemos nos envolver neste esforço”, disse. Ele destacou a importância da participação de entidades como o Sest SenatSenai, NTC e Senai, entre outras.

Falou das medidas tomadas para minimizar essa dificuldade e disse que nenhum motorista  de transfêrencia da  empresa fica mais de 48 horas fora de de casa. “Além disso, nós  temos um cuidado excepcional com a qualidade de vida de sua família.

De acordo com Urubatan, os cuidados com os profissionais do volante se estendem à simulador de direção, entrega de kit de alimentação antes de cada viagem, preocupação com conforto e segurança nos pontos de parada da empresa e equipamento para sair do sedentarismo etc.

Antes de viajar ele passa por check up médico, checagem de sono,  através de parceria que temos com o instituto do sono entrevárias outras . “Temos também um equipamento (sonômetro) desenvolvido pela Universidade Federal de Minas Gerais.  

“Temos um conjunto de circunstâncias que fecham com a remuneração. Temos motoristas que chegam a retirar uma média de 14, 15 e até 16 mil reais por mês de salário. Isso se dá através da classificação trimestral (Bronze, Prata, Ouro e Diamante) que nós fazemos pela telemetria”, disse.

“Isso dá ao motorista e à sua família uma condição digna de vida”. Falou também da assistência social prestada à família quando o motorista está viajando e das reuniões permanentes com as família dos motoristas, valorizando a profissão.