P 250 blindado: aposta na segurança de patrimônio

294

O segmento de caminhões blindados no Brasil é ainda pequeno, porém lucrativo e com bastante espaço para crescer, uma vez que a segurança pública não é uma prioridade no país. Contudo, recentemente, a Scania vendeu três caminhões semipesados P 250 8×2 blindados para o Grupo Esquadra.

O modelo, com baú também blindado, possui cabine dupla, permitindo transportar quatro passageiros, no caso da operação da Esquadra, seguranças. O veículo, configurado 8×2 com os dois eixos dianteiros direcionais, tem PBT (Peso Bruto Total) de 29 t. Isso significa que, apesar da blindagem, que aumentou a tara do caminhão em torno de 60%, em números ele ficou com 16 t de peso, mas ainda assim com 14 t de carga líquida ou 44 m³ de capacidade de carga. O baú de 8,10 m de comprimento é capaz de acomodar 14 paletes em três compartimentos distintos.

O trem de força foi mantido para garantir a performance do veículo. O motor de 9 litros fabricado pela Scania desenvolve potência de 250 cv, e a transmissão automatizada Opticruise é a mesma equipada nos caminhões de linha da gama rodoviária e dispõe de 12 velocidades.


O eixo R780 é produzido pela Scania, e a distância de entre-eixos é de 5 500 mm. Os pneus são do tipo Run Flate e a abertura do radiador é reduzida e protegida contra disparos. O caminhão ainda possui suspensão a ar nos eixos traseiros para que possa ficar na mesma altura vazio ou carregado, pois possui quatro posições de ajuste; com isso pode se ajustar às docas que têm altura prédeterminada entre 1,5 e 2,0 m.

O P250 8×2 tem 8,10 m de raio de giro, 6% menor em relação à versão 6×2 por causa dos eixos direcionais. “Os caminhões precisavam ter boa capacidade de manobra, de carga, dirigibilidade e possibilidade de descarga em docas”, completa Celso Mendonça, gerente de desenvolvimento de negócios da Scania. O caminhão, que possui blindagem nível três feita pela MIB Blindados, é capaz de suportar impactos de armas como fuzil AR-15, por exemplo.

EM FRANCA EXPANSÃO
Joias, eletroeletrônicos, obras de arte e produtos farmacêuticos estão entre as potenciais mercadorias que se encaixam nesse transporte. “Com esse caminhão vamos transportar cargas que por algum motivo não podem ser roubadas, como, por exemplo, um novo modelo de celular que tem data de lançamento mundial”, conta Alexandre Cardoso, gerente corporativo comercial da Esquadra.

Esse sistema de transporte de carga com caminhões blindados ainda é pequeno no Brasil, porém tem espaço para crescer. Em 2014 foram registrados no país cerca de 17,5 mil roubos de carga (o que representa um aumento de 42% em relação ao ano de 2013), um prejuízo na ordem de R$ 1 bilhão. E entre 2010 e 2014 o ataque a caminhões aumentou 42%. Os dados vão na contramão das operações da Esquadra, que desde que iniciou suas atividades em 2012 não registrou nenhuma ocorrência de sinistro, o que corresponde  a R$ 300 milhões em cargas de alto valor transportadas no período.

Ao embarcador esse sistema traz algumas vantagens em termos de economia, pois o seguro da mercadoria durante o transporte é da Esquadra, e o embarcador elimina custos com operação logística, porque a Esquadra retira a mercadoria da fábrica até o destino, com monitoramento e escolta armada. Contudo, segundo Cardoso, é possível oferecer um preço até 25% inferior no transporte pelo custo operacional reduzido. Cada caminhão Scania P 250  custou em torno de R$ 620 000 incluindo veículo e blindagem.