Anfavea revê as previsões de mercado em 2016

30

A Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores) revisou as previsões para a indústria de veículos este ano. No segmento de veículos pesados, a previsão foi reduzida para 54 mil caminhões e 12 mil ônibus, o que representa uma queda de 25,4% em relação a 2015. No ano passado, o setor já tinha apresentado uma queda de cerca de 40% em relação a 2014. E nem as exportações vão ajudar a indústria, pois a previsão de crescimento é de apenas 1%.

Malagrine

A diretoria da entidade apresentou nesta segunda-feira (06/06) os números de emplacamentos de maio e do acumulado dos cinco primeiros meses do ano. No caso de caminhões, foram emplacadas 4,1 mil unidades, com queda de 3% em relação ao mês de abril. Em comparação com maio do ano passado, a queda foi de 31,2%, com 21,4 mil unidades emplacadas este ano contra 31,1 mil no ano passado. No acumulado do ano, o total de caminhões emplacados foi de 25,7 mil contra 36,3 mil do mesmo período de 2015.

As exportações de caminhões apresentaram crescimento de 9,4% ao se comparar as 1,9 mil unidades em maio com as 1,7 mil em abril. No comparativo com o mesmo período do ano passado, que registrou 2,2 mil unidades, a queda é de 13,8%. Até o quinto mês do ano a indústria negociou com outros países 7,7 mil unidades, o que representa diminuição de 6,7% ante o ano passado com 8,2 mil.

Já as vendas de ônibus ficaram em 16,3%, ao comparar as 1,1 mil unidades de maio com as 916 unidades de abril, porém apresentou recuo de 26,3% ante as 1,4 unidades comercializadas em maio do ano passado. O resultado do ano, com 4,7 mil unidades, diminuiu 42,8% frente as 8,2 mil unidades do ano passado. As exportações de ônibus até maio deste ano estão maiores em 11,1%, com 2,9 mil unidades em 2016 e 2,6 mil em 2015.

Compartilhar
Marcos Villela
Jornalista técnico e repórter especial no site e na revista Transporte Mundial. Além de caminhões, é apaixonado por motocicletas e economia! Foi coordenador de comunicação na TV Globo, assessor de imprensa na então Fiat Automóveis, hoje FCA, e editor-adjunto do Caderno de Veículos do Jornal Hoje Em Dia e O Debate, ambos de Belo Horizonte (MG).