Scania R 420, de 750 cv, coleciona admiradores no Brasil

1816

Autor das imagens: Motorpress

À primeira vista, você pode se perguntar por que um Scania R 420, modelo 2011, está na seção Supertruck deste mês. Bom, se você acompanha tudo sobre o universo dos pesados, provavelmente sabe que ele é reconhecido e admirado por onde passa.

O caminhão é o xodó de Valdecir Barbosa, mais conhecido como Pica Pau, proprietário da transportadora de mesmo nome. Pica Pau, como gosta de ser chamado, adquiriu o modelo novo, em 2011, alcançando um sonho que tinha desde os 14 anos: o de ter um caminhão apenas para passear. Mas a paixão do empresário ia além.

“Scaneiro” de berço (fã incondicional da marca), Pica Pau também era apaixonado por customizações. Parte das modificações de seu caminhão começou na empresa Charada Film, de Júlio César e Caroline Del Vecchio, empresa conhecida no segmento custom, e uma das poucas que atuam na área de customização de caminhões no Brasil.

No quesito performance, o R 420 recebeu turbina roletada com 3,8 kg de pressão. O módulo de injeção eletrônica também foi reprogramado para aumentar alguns cavalos de potência. Os bicos injetores foram trocados por um modelo importado, que injeta mais combustível. Todas as mudanças proporcionaram ao caminhão um acréscimo de 330 cv, que o transformou em uma máquina de 750 cv de potência.

A suspensão a ar do veículo, um dos pontos fortes do Scania, foi desenvolvida pela Charada Film e é o carro-chefe da loja, que também produz conjuntos específicos para cada projeto.

No interior do veículo, as maiores mudanças são notadas no estofamento dos bancos em couro bege na parte central do encosto e assento e preto nas extremidades, também personalizado para o caminhão. No quesito conforto, o motorista é beneficiado por uma televisão localizada acima da janela do passageiro e pelo DVD na central multimídia do painel.

O assoalho também mudou, e recebeu um tipo de estofamento próprio, tanto que Isaias, motorista do caminhão, só transita de meias a bordo do veículo.

Na parte externa as mudanças afloram. Diversas peças foram confeccionadas em aço cromado, como tampa de válvula, suportes da escada da cabine e tanques de combustível (que custaram cerca de R$ 9 mil cada). Como são específicas em cada modelo, a maioria das peças é encomendada e personalizada para o caminhão.

O “R 750” ganhou, ainda, tampa de quinta-roda customizada e engate para implementos de animais (cavalos, a paixão de Pica Pau) para até 10 t.

Com cinco anos de uso e 40.160 km rodados, o Scania do Pica Pau reúne beleza, personalidade, potência, admiradores e muito fôlego para continuar a se apresentar nos principais eventos de veículos comerciais e antigos do país.