O caminhão que existia apenas na configuração 6×4 ganhou segundo eixo dianteiro direcional implementado pela Suspensys por encomenda da Breda Logística, transportadora que comprou 23 unidades do modelo. O novo produto é fruto da tendência de customização de fabricantes para atender aplicações específicas.

O Axor 3344, agora na versão 8×4, surgiu de uma necessidade da Breda Logística que atua no setor florestal em diversas áreas de produção de eucalipto espalhadas pela região do Vale do Paraíba (SP).

A empresa necessitava de um caminhão que lhe garantisse mais produtividade, o que na prática, com esse segundo eixo, se traduz em uma capacidade de carga mais elevada, saindo das 50 t para 56 t de PBTC (Peso Bruto Total Combinado) em composição veicular do tipo romeu e julieta.

A Breda Logística é dona de 150 caminhões, dos quais 65% são da marca Mercedes-Benz, sendo o Axor o modelo mais atuante na operação. “Desde 2006, o Axor está presente em nossas atividades, e uma das vantagens que vejo no veículo, além do custo/benefício, é que ele está sempre disponível”, atesta Henry Hardt, diretor de manutenção da Breda.

No seu line-up a Mercedes possui a versão do Axor 3344S cavalo mecânico e 3344P rígido – este o eleito para a frota da Breda. Para tanto, o caminhão possui eixo com redutor nos cubos (HL7-HD7) e transmissão G-330 de 12 velocidades automatizada combinada a uma relação de 11,63:0,77.

A transmissão inteligente, também conhecida como PowerShift, é uma novidade para os motoristas da Breda que, até então, conduziam a versão traçada e com caixa manual. Por essa razão, a empresa tem em seus planos, encaminhar os motoristas para treinamento na Fabet (Fundação Adolfo Bósio de Educação no Transporte).

Mesmo porque, para Ricardo Canton, diretor geral da Breda, parte da produtividade que ele vai ganhar com os novos veículos também inclui motoristas bem treinados.

“Os caminhões Axor evoluíram muito nos últimos anos e estão mais confortáveis e os motoristas da empresa vão perceber isso”, descreve Canton.

Além do eixo adicional, que naturalmente vai permitir ao veículo rodar com mais carga, a Mercedes percebeu que, como o cliente opera em um raio de 80 km, dois tanques não são necessários no caminhão. Outra solução também foi equipar os Axor 8×4 com rodas de alumínio e trocar os pneus que eram 11,00 para o 295R80R22 – este, mais leve.

De acordo com Marcos Andrade, gerente de vendas e marketing caminhões da Mercedes-Benz, essas soluções ajudaram a garantir mais produtividade, uma vez que cada veículo será capaz de transportar 6 t a mais de carga, ou seja, um ganho de 10% por viagem realizada.

Na madeira

A Mercedes-Benz ainda dispõe para operação florestal os caminhões Atego 2730P, com eixo HL4-HD4, para atividades com tiros mais curtos e cargas mais leves; Axor 3131P com eixos  HL7-HD7, Axor 2644 e Actros 2646 ou 2651 com eixos HL6-HD6 para quem opera mais em rodovias e faz longas viagens, e na configuração com eixos HL7-HD7, com redutor nos cubos, para as atividades mistas em que a robustez se faz necessária.

Compartilhar
Andrea Ramos
Jornalista especializada em veículos comerciais, apaixonada por caminhões e punk rock, e mãe do B e do Ben.