Anfir prevê um mercado de 150 mil implementos em 2023

179

A indústria de implementos rodoviários deve fechar o ano de 2023, com 150 mil veículos emplacados. A previsão é da Anfir, entidade que representa os fabricantes no País.

De janeiro a novembro as empresas produziram 137.877 unidades. Ou seja, uma pequena retração de 1,96% frente a igual período no ano passado, quando foram emplacados 140.639 implementos rodoviários.

LEIA TAMBÉM: Marcopolo anuncia R$ 50 milhões em fábrica de elétricos no Brasil

Anfir prevê um mercado de 150 mil produtos para encerrar 2023
Pesados é o segmento que historicamente puxa o volume de vendas; foto: Librelato/Divulgação

Os dados até o momento representam média mensal de emplacamentos em 12,5 mil unidades, sendo 7,5 mil reboques e semirreboques. Assim como 5 mil carrocerias sobre chassis. Com base nessa distribuição é que o segmento prevê 90 mil veículos pesados e 60 mil modelos leves.

Vendas deste ano devem ser um pouco abaixo de 2022

Contudo, o resultado ficaria um pouco abaixo das 154,7 mil unidades vendidas no País em 2022. O que a Anfir não considera uma forte retração.

“Mesmo com um provável menor número de unidades emplacadas em 2023, o ano vai fechar bom para os negócios. Tivemos bons produtos que puxaram as vendas, como o 4º eixo”, afirma José Carlos Spricigo, presidente da Anfir.

Nesse sentido, graças à sua maior capacidade de carga, o implemento 4º eixo é um dos responsáveis pela rentabilidade dos negócios. Do mesmo modo, outro fator que contribuiu para o desempenho da indústria foi o mercado de locação. Segundo Spricigo, o operador logístico entendeu que alugar um implemento rodoviário é uma opção viável.

Com feriados, vendas caíram em novembro

 O volume de emplacamentos em novembro foi menor que o registrado em outubro. Ou seja, 12.790 produtos ante 13.911 implementos rodoviários. O que representa 1.121 implementos a menos de um mês para o outro.

Conforme a Anfir, a retração no mês anteior está relacionada ao fato de novembro ter mais emendas de feriados. “Os dias parados afetam as vendas e a atividade industrial. Assim, reduzindo o ritmo de nossa indústria”, diz o presidente da Anfir.