DAF mostra as tendências de mercado no IAA 2016

239

A DAF, que completa três anos no Brasil, mostrou no último Salão de Hannover, encerrado no dia 29 de setembro, na Alemanha, o seu posicionamento estratégico para enfrentar a concorrência nos próximos anos.


Assim como a maioria dos fabricantes de caminhões, a eficiência em transporte foi o foco da marca holandesa controlada pelo grupo americano Paccar.

Dentro da tendência de oferecer serviços além de produtos, a novidade da DAF não foi um novo caminhão, mas o DAF Connect, um serviço de telemetria, como o RIO, também lançado durante o Salão de Hannover pelo Grupo Volkswagen Trucks & Bus, o FleetBoard da Mercedes-Benz ou o Dynafleet da Volvo. Basicamente, o serviço funciona como outros também fornecidos por terceiros, como o Autotrac no Brasil, como fornecer informações sobre o desempenho do veículo e do condutor em tempo real.


Todos esses serviços de telemetria têm a função de ajudar o operador de transporte a otimizar a disponibilidade dos veículos, a reduzir os custos opercionais e a melhorar a eficiência logística, além de melhor planejamento das manutenções.

O DAF Connect ajuda o operador de transporte a otimizar a disponibilidade dos veículos, a reduzir os custos operacionais e a melhorar a eficiência logística, o que também inclui um melhor planejamento das manutenções. Assim como o sistema RIO, do Grupo VW, o DAF Connect também será aberto para atender os clientes que possuem frotas mistas ou que já possuem outros sistemas de gestão de frota.

MOTORES MAIS EFICIENTES
A DAF destacou também a otimização dos motores Paccar PX-5 e PX-7, utilizados nos caminhões da marca com cabine LF e CF. Esses motores ainda não equipam modelos vendidos no Brasil. Os modelos da série LF competem em mercados que no Brasil são conhecidos como leves e médios, de até 15 toneladas. Já a série CF atende os segmentos semipesados e pesados. Já a série XF é voltada para o segmento pesado premium e, por alguns, chamado também de extrapesados.

workhouse

Segundo a engenharia da DAF, esses motores otimizados estão com torque superior e com rotações mais baixas, características que contribuem para um maior conforto para o condutor e para uma eficiência de combustível melhor. Combinado com as novas transmissões, a redução das rotações chega até 300 rpm a uma velocidade de cruzeiro de 85 km/h. “As melhorias na transmissão resultam numa melhor eficiência de combustível que pode alcançar os 4%”, promete a empresa.

O novo software de gestão otimizada de calor e ar, aumentou em até 12% o torque dos motores Paccar PX-5 de 4,5 litros e PX-7 de 6,7 litros. O torque máximo do motor PX-5 de 4 cilindros na série LF da DAF passa a poder alcançar os 850 Nm entre 1.200 e 1.500 rpm; já o motor no LF e CF da DAF alcança os 1.200 Nm entre 1.100 e 1.700 rpm.


FOCO NA EFICIÊNCIA DO TRANSPORTE
Para reforçar a posição da empresa na busca da eficiência de combustível e às baixas emissões de CO2, o DAF Innovation Trucks é a resposta da marca para mostrar que acompanha a concorrência na busca de soluções para os clientes.


“Continuamos focados em desenvolver formas de redução de consumo de combustivel e das emissões de CO2 para manter nossa vantagem competitiva no custo operacional e na liderança de meio ambiente”, afirma Ron Borsboom, diretor de desenvolvimento de produtos. “O caminhão inovador destaca as novas tecnologias que estamos desenvolvendo tais como a hibridização e a eletrificação, juntamente com a recuperação de calor, por exemplo, bem como uma condução preditiva, ligada e colaborativa, como foi demonstrado com sucesso durante o European Truck Platooning Challenge no início deste ano.”

Ron Borsboom enfatiza que, durante a última década, o consumo médio de combustível e, consequentemente, as emissões de CO2 de um caminhão de longa distância foram reduzidas em 14%. “Os próximos passos podem certamente ser tomados, entre outros, através da nova legislação de massas e dimensões que o Parlamento Europeu votou a favor. A aerodinâmica melhorada vai traduzir-se num consumo de combustível reduzido e, portanto, numa redução das emissões de CO2. Em simultâneo, podemos aproveitar a oportunidade para melhorar o campo de visão do condutor.”

Compartilhar
Marcos Villela
Jornalista técnico e repórter especial no site e na revista Transporte Mundial. Além de caminhões, é apaixonado por motocicletas e economia! Foi coordenador de comunicação na TV Globo, assessor de imprensa na então Fiat Automóveis, hoje FCA, e editor-adjunto do Caderno de Veículos do Jornal Hoje Em Dia e O Debate, ambos de Belo Horizonte (MG).