Iveco renova 100% de seu portfólio na Argentina

271

Com dois anos de atraso entra em vigor a legislação para emissões de poluentes por motores diesel equivalente à norma Euro 5 na Argentina. Para atender às novas exigências legais, a Iveco lançou, de uma só vez, toda a linha de caminhões Ecoline 2016 no país vizinho.


De toda a gama, os modelos Daily, Vertis e Stralis Hi-Way são todos fabricados em Sete Lagoas (MG), e os demais (Tector, Cursor, Trakker e as outras versões do Stralis) são fabricados na fábrica de Córdoba, na Argentina. Segundo o vice-presidente da Iveco Latin America, Marco Borba, o fato de  Argentina começar trabalhar como a mesma legislação traz grandes benefícios logísticos para ambos os países.

Assim como ocorreu no Brasil, ainda não está claro para os argentinos como será a distribuição do diesel S10 e do Arla, necessários para o bom funcionamento do motor Euro 5. Por outro lado, como as rotas são concentradas, há uma maior facilidade para a distribuião desses líquidos. Agora, os mais importantes países da América do Sul estão em acordo com a legislação de emissões na região, o que ajuda a indústria brasileira a aumentar suas exportações.

Na Argentina, somente Iveco e Mercedes-Benz possuem fábricas de caminhões, sendo a da Iveco muito mais completa (produz a maioria dos componentes) e de longe a maior. A empresa está no país desde 1969, o que aumenta seu nível de competitividade e ajuda a marca italiana a se manter na liderança do mercado por seis anos consecutivos, com 25% de participação de um mercado que fecha 2015 com 26 mil unidades vendidas.  No Brasil, a Iveco possui 6% do mercado de caminhões.

Com o lançamento da linha 2016, a Iveco passa a oferecer praticamente a mesma gama de produtos oferecida no Brasil. Com isso, a empresa amplia significativamente as opções ao mercado vizinho, inclusive estreando em segmentos que não atuava, como nos pesados acima de 480 cv e na faixa dos 360 cv. Com o Stralis de 360 cv e de 560 cv, a empresa espera cresce sua participação entre os pesados.

Por ser um país mais plano que o Brasil, a maior demanda é por caminhões de média potência e por isso 50% das compras dos argentinos são de caminhões com potência entre 340 cv e 400 cv. Acima disso, a demanda fica em torno de 10%.  Considerando todos os segmentos, os transportadores, em sua maioria, compram modelos de entrada e até 250 cv. Caminhões das linha Daily e Vertis representam 50% das vendas da Iveco no país. Os outros 50% são de modelos fabricados lá. Veja a matéria completa na edição 149 da revista TRANSPORTE MUNDIAL.

Compartilhar
Marcos Villela
Jornalista técnico e repórter especial no site e na revista Transporte Mundial. Além de caminhões, é apaixonado por motocicletas e economia! Foi coordenador de comunicação na TV Globo, assessor de imprensa na então Fiat Automóveis, hoje FCA, e editor-adjunto do Caderno de Veículos do Jornal Hoje Em Dia e O Debate, ambos de Belo Horizonte (MG).