Cerveja ficará mais segura

52

Já diz um velho ditado que a união faz a força. Não é à toa que movimentos de compras coletivas vêm crescendo no país, pois negociam volumes maiores e, consequentemente, descontos mais vantajosos. E, para isso, nem sempre precisa ser um grande frotista para usufruir dessas vantagens. O bom exemplo vem de cooperativas, como a Coopercarga, e entidades de classes, como a Confenar (Confederação Nacional das Revendas Ambev), que vem fechando parceira para diversos fornecedores do setor de transporte.

A Confenar possui mais de 120 afiliadas e, para atender cerca de um milhão de pontos (bares, restaurantes, supermercados, clubes etc.), conta com uma frota de 8.200 caminhões, sendo 2 500 de puxada (transferência de produtos da fábrica para a revenda), 4.300 caminhões de entrega e 1.400 caminhões terceirizados. O gasto anual de todos os associados juntos é de R$ 15 milhões em autopeças, R$ 210 milhões em combustível e lubrificante e R$ 12 milhões em pneus.

O Volvo VM 270 está entre as opções de compra para os distribuídos Ambev

Agora os distribuidores Ambev vão pode melhorar as suas frotas e colocar caminhões mais seguros para os seus motoristas trabalharem. É que a mais recente montadora a se juntar ao grupo de fornecedores da Confenar é a Volvo, em parceria válida até outubro deste ano. A união significa descontos em modelos para operações de puxada que inclui os novos Volvo FH 420, FM 370 e os semipesados VM 270 e VM 220.

A Confenar investe também R$ 3 milhões em treinamentos diversos e a Ambev, fabricante de bebidas como cervejas e refrigerantes, mantém forte parceria com a Fabet (Fundação Adolpho Bósio de Educação no Transporte) para treinamento de motoristas para buscar a desafiadora meta de acidente zero com os caminhões que transportam bebidas da empresa. 

Compartilhar
Marcos Villela
Jornalista técnico e repórter especial no site e na revista Transporte Mundial. Além de caminhões, é apaixonado por motocicletas e economia! Foi coordenador de comunicação na TV Globo, assessor de imprensa na então Fiat Automóveis, hoje FCA, e editor-adjunto do Caderno de Veículos do Jornal Hoje Em Dia e O Debate, ambos de Belo Horizonte (MG).