Repetidas vezes é dito que, para o setor de transporte crescer, o PIB (Produto Interno Bruto ou toda a riqueza produzida por uma nação) precisa crescer primeiro. Os indicadores econômicos dos últimos quatro meses já mostram que isso começou a ocorrer, mesmo, que em um número tímido. A previsão é de crescimento de 0,5% este ano e superior a 3% para 2018.

Para a economia voltar a crescer é importante o distanciamento dela em relação aos acontecimentos políticos que não estão diretamente relacionados com decisões sobre a política econômica. Aliás, neste quesito, elas têm alcançado resultados positivos, como a redução das taxas de juros e da inflação. A taxa Selic deve chegar ao final do ano abaixo de 8%.

Atualmente ela está em 11,25% e a expectativa é que seja cortada em mais 1% na reunião do Copom de maio. A inflação, pela última previsão feita pela pesquisa Focus, do Banco Central, foi rebaixada para 4,03%.

Vendas

Na opinião do presidente da Anfir, Alcides Braga, a roda da economia já começou a girar sem olhar para Brasília. O executivo da entidade que representa a indústria de implementos rodoviários continua apostando no crescimento de 10% nas vendas de implementos.
As montadoras de caminhões também já estão recebendo mais consultas para compras.

As vendas diárias de veículos estão crescendo desde março, apesar do volume de abril, no total, ter ficado inferior em função dos feriados. A Anfavea mantém uma previsão de crescimento para 6,4%. Porém, as marcas que são fortes nos segmentos de caminhões com PBT acima de 16 t, apostam em crescimento superior a 10%.

Executivos da indústria justificam suas previsões por causa dos dados macroeconômicos, do crescimento do agronegócio, exportações e do envelhecimento da frota devido a não renovação nos últimos três anos. Também há o fato de quem comprou caminhão em 2011 e 2012, já quitou o veículo e já pensa em renovação. O momento é ainda de cautela, mas um pouco de otimismo não faz mal.

Compartilhar
Editor da revista e site Transporte Mundial desde fevereiro de 2002. Além de caminhões, é apaixonado por motocicletas e economia! Foi coordenador de comunicação na TV Globo, assessor de imprensa na então Fiat Automóveis, hoje FCA, e editor-adjunto do Caderno de Veículos do Jornal Hoje Em Dia, de Belo Horizonte (MG).